Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Mato Grosso espera imunizar 12 milhões de bovinos contra aftosa

Mato Grosso espera imunizar 12 milhões de bovinos contra aftosa

 Foto: Chico Valdiner/GCom-MT

Olharo - Viviane Petroli

Produtor que não vacinar contra a febre aftosa poderá pagar multa de 2,25 UPF em Mato Grosso por cabeça não imunizada
Produtor que não vacinar contra a febre aftosa poderá pagar multa de 2,25 UPF em Mato Grosso por cabeça não imunizada
Doze milhões de cabeças de bovinos e bubalinos entre 0 e 24 meses devem ser imunizados em Mato Grosso contra a febre aftosa. Começa neste domingo, 1º de maio, a primeira etapa da campanha contra a doença no estado e em outras cinco unidades da federação. A comunicação da imunização deve ser feita até o dia 10 de junho e o atraso pode implicar na impossibilidade de emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA) por um período de mínimo de 30 dias.

Nesta primeira etapa, que vai até 31 de maio, o produtor deve vacinar todo o rebanho bovino e bubalino de 0 a 24 meses, exceto propriedades do baixo Pantanal, em decorrência a dificuldade no manejo dos animais em período de cheia que possui a prerrogativa de efetuar a vacinação em novembro ou quando houver saída de animais.

Mato Grosso possui o status de livre da febre aftosa com vacinação há 20 anos. O pecuarista que não vacinar o seu rebanho dentro do período de campanha pagará multa de 2,25 Unidade Padrão Fiscal (UPF) por cabeça de animal não vacinado.

Além de Mato Grosso, os Estados do Acre, Espírito Santo, Paraná, Rondônia e São Paulo devem vacinar em maio animais de 0 a 24 meses. Em Roraima, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a imunização é em bovinos e bubalinos de mamando a caducando.

Entre 1º e 31 de maio a vacinação é obrigatória independente da idade do animal no Distrito Federal, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Sergipe e Tocantins. Já no Mato Grosso do Sul os trabalho seguem até 15 de junho.

“O pecuarista já tomou ciência da importância de manter o Estado livre de febre aftosa e agora estamos passando para uma nova fase. Com o Imac (Instituto Mato-Grossense da Carne) queremos aumentar a renda e valorizar a carne produzida em Mato Grosso. A vacinação é o que dá suporte para conseguirmos fazer esse trabalho”, pontuou o secretário adjunto de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Alexandre Possebon, durante lançamento da campanha de vacinação contra aftosa em Santo Antônio do Leverger na última sexta-feira, 29 de abril.

Mato Grosso é detentor de um rebanho comercial de 29,2 milhões de cabeças de gado. É o maior rebanho do Brasil.

Segundo o presidente do Imac, Luciano Vacari, a produção de qualidade e o controle sanitário proporcionam para Mato Grosso a abertura de portas de novos mercados para a exportação.

Fronteira com a Bolívia

Na fronteira seca entre Mato Grosso e a Bolívia 800 propriedades, localizadas nos municípios de Cáceres, Pontes e Lacerda, Porto Esperidião e Vila Bela da Santíssima Trindade, serão acompanhadas por 22 equipes do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea). Deverão ser acompanhados pelos técnicos 200 mil animais.


“É uma vigilância específica nas propriedades localizadas na linha de fronteira. Todas essas propriedades são notificadas e a vacinação é assistida, fiscalizada ou realizada com agulha oficial", explica a diretora técnica do Indea, Daniella Bueno.
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização