Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Tudo pronto para o dia D da vacinação contra a Gripe A em Nova Olímpia

Tudo pronto para o dia D da vacinação contra a Gripe A em Nova Olímpia



Postos funcionarão até as 17h00 para imunizar os grupos de risco do vírus H1N1

A exemplo do que acontece em todo o país, o Dia D (sábado, 30) de vacinação contra a influenza A (gripe H1N1) A será realizado em Nova Olímpia neste sábado em todas as unidades básicas de saúde que estarão abertos, entre as 08h00 às 17h00, para imunizar os grupos de risco, ou seja, crianças menores de dois anos de idade, gestantes, adultos com 60 anos ou mais, portadores de doenças crônicas não transmissíveis, além de outros grupos de risco (trabalhadores da saúde, indígenas, pessoas com outras condições clínicas especiais e mulheres no puerpério - até 45 dias após o parto)
Segundo a coordenadora da Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde, enfermeira Poliana Sartori, a meta, em Nova Olímpia, é vacinar cerca de três mil pessoas, e por isso, o dia D é muito importante. “Muitos tem compromissos durante a semana, e podem aproveitar o dia de sábado para se vacinar”, diz a enfermeira.

Conforme ela, as equipes das Unidades de Saúde (Boa Esperança, Ouro Verde I e II, São João e Centro) já estão mobilizadas para a campanha. “As pessoas devem procurar a Unidade de Saúde da sua área e levar o cartão de vacinação”, orienta.

Além da imunização, outra medida para combater o H1N1, segundo a enfermeira é a continuidade dos procedimentos de higiene, tais como a lavagem correta das mãos com frequência e a chamada etiqueta da tosse, que envolve, por exemplo, o uso e o descarte adequado de lencinhos descartáveis. Segundo a Atenção Básica em Saúde não há registro da doença (H1N1) em Nova Olímpia.

GRUPOS PRIORITÁRIOS

– Crianças de 6 meses a 4 anos 11 meses
– Gestantes em qualquer idade gestacional
– Mães de recém-nascidos até 45 dias após o parto
– Trabalhadores de saúde (público e privado)
– Povos indígenas, a partir dos 6 meses
– Indivíduos com 60 anos ou mais
– Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medida sócio-educativa
– Presos e funcionários do sistema prisional
*Para esses grupos, a meta de vacinação é de 80% da população-alvo

A GRIPE

H1N1 - O H1N1, comumente chamada de gripe suína, é provocada pelo vírus H1N1. Ele é resultado da combinação de segmentos genéticos do vírus humano da gripe, do vírus da gripe aviária e do vírus da gripe suína, que infectaram porcos simultaneamente. Ela requer cuidados especiais, pois a pessoa apresenta febre alta, acima de 38 ou 39 graus, de início repentino, dor muscular, de cabeça, de garganta e nas articulações, irritação nos olhos, tosse, coriza, cansaço e inapetência. Em alguns casos, também podem ocorrer vômitos e diarreia. Ela se dá pelo contato direto com os animais ou com objetos contaminados e de pessoa para pessoa, por via aérea ou por meio de partículas de saliva e de secreções das vias respiratórias.

Transmissão - A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que, após contato com superfícies recém contaminadas por secreções respiratórias, pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz. Em superfícies como madeira, aço e tecidos, o vírus é capaz de sobreviver por até 48 horas. A transmissão do vírus pode começar antes mesmo do aparecimento dos sintomas, com duração de até sete dias em adultos e de até 14 dias em crianças ou pessoas com imunodepressão.

Sintomas - O período de incubação dos vírus influenza varia entre um e quatro dias. A síndrome gripal, que se caracteriza pelo aparecimento súbito de febre, cefaleia, dores musculares (mialgia), tosse, dor de garganta e fadiga, é a manifestação mais comum. Nos casos mais graves, geralmente, existe dificuldade respiratória e há necessidade de hospitalização. Nesta situação, denominada Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), é obrigatória a notificação às autoridades de saúde.
Prevenção

– Lavar frequentemente as mãos com bastante água e sabão ou desinfetá-las com produtos à base de álcool.

– Jogar fora os lenços descartáveis usados para cobrir a boca e o nariz, ao tossir ou espirrar.
– Evitar aglomerações e o contato com pessoas doentes.
– Não levar as mãos aos olhos, boca ou nariz depois de ter tocado em objetos de uso coletivo.
– Não compartilhar copos, talheres ou objetos de uso pessoal.

– Procurar assistência médica se surgirem sintomas que possam ser confundidos com os da infecção pelo vírus da influenza tipo A.
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização