Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Jurados acolhem teses do MPE e condenam em mais de 17 anos responsáveis pela morte de ex vereador de Nova Mutum

Jurados acolhem teses do MPE e condenam em mais de 17 anos responsáveis pela morte de ex vereador de Nova Mutum



Os réus Philipi Barroso Figueiredo e José Divino Ferreira de Jesus, vulgo "Zezão", acusados de matarem a tiros o então vereador de Nova Mutum, Evandro Luiz Argenton, em junho de 2015, foram condenados a quase 18 anos pelos crimes de homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver.

Consta no processo que a vítima havia vendido uma camionete para o réu Philipi Barroso, que seria paga mediante entrega de 127 cabeças de gado. No entanto, o pagamento não foi efetuado. Em razão disso, a vítima passou a cobrá-lo. Após inúmeras cobranças realizadas pela vítima, o réu iniciou um plano para matar Evandro.

Foi quando Philipi contratou José Divino para a assassinar a vítima. Como pagamento, o assassino recebeu uma motocicleta no valor de R$ 4.600,00. Vinte e dois dias após a venda da camionete, a vítima foi até a fazenda do réu Philipi Barroso, para que ele entregasse as cabeças de gado.

Os réus seguraram a vítima no local por três horas e meia, aguardando o caseiro ir embora, e, por volta das 11 horas da manhã, José Divino disparou quatro tiros contra a vítima, três na região do tórax e abdome e um na nuca. O corpo da vítima foi colocado na caçamba da camionete e abandonado em uma ribanceira próxima à cidade de Nova Olímpia.


De acordo com o promotor de Justiça Marcelo Rodrigues Silva, responsável pela acusação no Tribunal do Júri, os assassinos desconheciam o fato de a camionete possuir rastreador, o que possibilitou que fosse encontrado o automóvel com o corpo na caçamba. “A partir daí as investigações iniciaram, sendo que os réus apresentaram versões contraditórias quanto ao fato da vítima ter ido até a fazenda e de lá nunca ter voltado, o que levou às suas prisões”, destacou o promotor. O júri realizado dia 12 de abril teve duração de 21 horas.
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização