Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Justiça manda soltar ex-chefe de gabinete do ex-deputado José Riva

Justiça manda soltar ex-chefe de gabinete do ex-deputado José Riva

Servidora foi presa na operação Metástase, contra crimes na ALMT.

Juíza substituta determinou liberdade provisória nesta segunda-feira.

Renê Dióz

Do G1 MT

     José Riva foi preso no dia 13 de outubro em

    Operação do Gaeco em MT (Foto: Renê Dióz/G1)

Presa desde outubro de 2015, a servidora Maria Helena Ribeiro Ayres Caramelo, ex-chefe de gabinete do ex-deputado estadual José Riva na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), conseguiu nesta segunda-feira (7) decisão substituindo sua prisão preventiva por aplicação de medidas cautelares decretadas pela juíza Renata do Carmo Evaristo Parreira, da Sétima Vara Criminal da Capital. A magistrada que proferiu a decisão é substituta de Selma Rosane dos Santos Arruda, titular da Vara.

O alvará de soltura já foi expedido, mas a reportagem não conseguiu contato com o advogado de defesa da ré para confirmar o cumprimento da ordem judicial de soltura. Maria Helena Ribeiro Ayres Caramelo foi presa durante a segunda fase - denominada "Célula Mãe" - da operação Metástase, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público (MP).

As investigações da operação apontam para esquemas de desvio de dinheiro da ALMT ocorridos durante a presidência de José Riva, que também foi alvo de mandado de prisão preventiva na operação - foi a terceira prisão no ano do ex-deputado, que permanece no Centro de Custódia da Capital (CCC).

Conforme as investigações, os desvios da verba denominada "suprimento de fundos" serviam para pagamentos de “mensalinhos” e despesas pessoais. Dentro desse esquema, servidores como Maria Helena Ribeiro Ayres Caramelo e Geraldo Lauro (também ex-chefe de gabinete de José Riva), segundo o MP, agiram visando “blindar” a organização criminosa e o ex-presidente da ALMT, que seria o líder.

Conforme menciona o texto da decisão desta segunda-feira, “além de liderar os demais servidores na tarefa de desviar os recursos de suprimento de fundos, [as investigações] demonstraram em várias situações que são pessoas plenamente aderidas aos objetivos da organização criminosa. Além de ameaçar e controlar os servidores envolvidos, Maria Helena chegou a se colocar à disposição para assumir, sozinha, a responsabilidade sobre o crime, tudo na clara intenção de proteger tanto o seu chefe como os demais membros da organização”.

Por outro lado, na decisão, a juíza substituta Renata do Carmo Evaristo Parreira levou em consideração o fato de que Maria Helena é ré primária e não possui antecedentes criminais, além de que não obstruiu nem tentou causar tumulto para a obtenção de provas sobre o caso até agora.
Desta forma, segundo a juíza, a servidora não oferece qualquer risco à ordem pública e pode, portanto, ter sua prisão preventiva substituída por medidas cautelares.

Agora, a servidora deverá comparecer em juízo a cada 30 dias para informar suas atividades e não poderá manter contato com quaisquer outros réus, investigados ou testemunhas do caso. Ela também não poderá ausentar-se de Cuiabá sem autorização, não poderá frequentar a sede da ALMT, em Cuiabá, e terá de se recolher em casa todos os dias das 20h às 6h e todos os fins de semana e feriados em período integral. Ela também foi intimada a entregar seu passaporte à Justiça.


A reportagem não conseguiu localizar o advogado de defesa da servidora para comentar a decisão desta segunda-feira.
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização