Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Diretor confirma reunião com ex-secretário; CPI convoca presidente do Grupo JBS

Diretor confirma reunião com ex-secretário; CPI convoca presidente do Grupo JBS



O diretor de tributos da empresa afirmou ter se reunindo com o ex-secretário de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme) de Mato Grosso, Pedro Nadaf.

JANAIARA SOARES
Assessoria Dep. Zé Carlos do Pátio

O diretor de tributos da JBS, Valdir Aparecido Boni ouvido pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal na tarde desta quinta-feira (04), afirmou ter se reunido com o ex-secretário de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme) de Mato Grosso, Pedro Nadaf, quando a empresa obteve o incentivo de R$ 73 milhões do crédito outorgado.

Para o presidente da comissão, deputado estadual Zé Carlos do Pátio (SD), o encontro entre o ex-secretário e o diretor da JBS não pareceria correto. “A sensação que dá é que houve uma negociação pessoal e não institucional. A sensação é que foi uma grande negociata, já que a empresa ganhou o benefício e isso não foi publicado no Diário Oficial do Estado”.

O Decreto nº 994/2012 que concedeu o incentivo estabelecia exigências muito altas, o que provavelmente só poderiam ser preenchidas pela JBS que foi a única empresa a receber o beneficio. Boni explicou que como a regalia não foi publicada, Nadaf o convidou para vir a Cuiabá. “Nadaf me chamou Cuiabá e me comunicou pessoalmente que a empresa havia sido beneficiada”.

O direto foi questionado sobre a fato da empresa obter dois benefícios ficais o que é ilegal, mas afirmou que em nenhum momento o corpo jurídico da JBS foi contra ao recebimento. Para Zé Carlo do Pátio, todo o depoimento foi vago. “Ele afirmou que teve prejuízo com dois inventivos e mesmo assim se manteve com os benefícios, isso é muito estranho, é visível que tem algo errado e nós vamos aprofundar isso”.

Além disso, os membros questionaram sobre a nota fiscal no valor de R$ 210 mil emitida pela empresa NBC Assessoria e Consultoria Ltda., pertencente a Pedro Nadaf, em 2011. Boni preferiu não responder a pergunta. Essa empresa foi apontada na Operação Sodoma, que prendeu Nadaf e o ex-governador Silval Barbosa (PMDB), como um meio para o ex-secretário receber propina.

Ao final da reunião da CPI os deputados decidiram pela convocação do presidente do grupo, Wesley Batista, para explicar a negociação com o Governo do Estado no final do ano passado com o recolhimento de R$ 374 milhões. “No começo, Boni entrou em contradição e eu quis pedir a prisão preventiva dele. Mas a assessoria jurídica pediu cautela. Se a contradição não fosse forte o suficiente, ele poderia ser solto ainda hoje e colocar em dúvida a CPI, decidimos então convocar o diretor da JBS que deve nos esclarecer melhor os questionamentos feitos hoje”, afirmou Pátio.

FOTO: Demóstenes Milhomem/ALMT
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização