Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Deputado chama Grupo JBS de “corrupto" e "canalha” e quer CPI

Deputado chama Grupo JBS de “corrupto" e "canalha” e quer CPI


“Ninguém sobrevive como esse grupo se não tiver dinheiro fácil. Isso precisa ser investigado”

CAMILA RIBEIRO - Mídia News  


O primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, deputado Ondanir Bortolini, o “Nininho” (PR), afirmou que irá propor a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o Grupo JBS.

O parlamentar classificou o grupo como “canalha” e disse que o Legislativo precisa aprofundar as investigações, não somente sobre o suposto recebimento indevido de incentivos fiscais por parte da JBS, como também de um suposto monopólio criado pela empresa em Mato Grosso.

Em dezembro passado, o grupo fez um acordo e devolveu ao Governo do Estado R$ 373 milhões, após acorco com o Cira (Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos) que teve participação do Ministério Público Estadual (MPE) - veja abaixo.

Segundo Nininho, a JBS veio para Mato Grosso não com objetivo de contribuir com o Estado, mas sim para tirar proveito do segmento pecuarista.

“O que aconteceu em Mato Grosso é inadmissível. Havia tantas plantas frigoríficas nesse Estado, de famílias tradicionais que exploravam o mercado. Mas hoje, o produtor é obrigado a vender para um grupo corrupto desse, um grupo canalha, que pega o dinheiro público para vir aqui fazer o que estão fazendo com nosso país, com nosso Estado”, disse.

 “Eles vieram pra cá simplesmente com o intuito de extorquir o nosso Estado, criar aqui um monopólio. Eles estão fazendo um desfavor a Mato Grosso e ao segmento pecuarista”, completou.

As declarações foram dadas na tarde desta quinta-feira, ocasião em que a CPI da Renúncia e da Sonegação Fiscal ouviu o depoimento de um dos diretores do grupo, Valdir Aparecido Boni.

Nininho disse que o grupo JBS não merece sequer ser respeitado, já que seu crescimento é fruto de interveniências de "políticos mal-intencionados".

“Ando por esse Estado e tenho acompanhado as barbaridades que esse grupo tem feito. Até podia respeitá-los um pouquinho se fosse um grupo que tivesse chegado nessa magnitude com méritos de trabalho, não por interveniências políticas, de políticos mal-intencionados, da presidência da República, de representantes do BNDES, que deram condições pra esse grupo vir fazer esse desfavor a nosso Estado”, afirmou.

“Dinheiro fácil”

Em sua fala, o deputado Nininho citou uma reportagem publicada na imprensa, em que, segundo ele, o procurador da República Hélio Telho Correa Filho cita que a JBS, na última campanha eleitoral, doou grandes quantias tanto para a presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) quanto para Aécio Neves (PSDB).

 “Esse grupo financiou a campanha da dona Dilma Rousseff, mas, não contente, financiou também a do Aécio Neves, porque é muito fácil de bancar o jogo dos outros, com dinheiro ganhado fácil”, disse.

“Nesse sentido é que vou propor uma CPI aqui nesta Casa. Quero saber qual a mágica que esse grupo faz para comprar 22 plantas frigoríficas, fechar 12 e simplesmente pagar o aluguel de outras para que elas fiquem fechadas, acabando com a concorrência, criado um monopólio.

Nininho afirmou ainda que os frigoríficos fechados pela JBS em Mato Grosso resultaram, no mínimo, em 8 mil demissões diretas no Estado.

Como já há quatro CPIs em andamento na Casa (a da Renúncia e Sonegação Fiscal, a da Copa, a das Organizações Sociais de Saúde e a do Ministério Público), Nininho precisará colher a assinatura de 16 colegas para garantir a abertura de uma nova investigação.

“Quero saber qual a mágica. Eles precisam explicar como que dá conta de chegar em um Estado, comprar plantas que valem milhões e lacrar, fechar a porta e deixar lá. Ninguém sobrevive dessa forma se não tiver dinheiro fácil no meio e dinheiro fácil tem que ser investigado e esclarecido à população”, conclui o parlamentar.

Tentativa de ser "inocentada"

Em janeiro passado, o juiz Luís Aparecido Bortolussi Júnior, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, negou a homologação de um acordo firmado entre a empresa JBS/Friboi com o Ministério Público Estadual (MPE) que resultaria na extinção parcial de uma ação civel que resultou no bloqueio de R$ 73,5 milhões da maior rede de frigoríficos do país e de outros réus.

Caso o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) fosse validado pelo magistrado, a JBS e o diretor Valdir Aparecido Boni seriam "inocentados" de qualquer participação no suposto esquema denunciado pelo próprio MPE, que ainda tem como réus o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e os ex-secretários Pedro Nadaf (Casa Civil), Marcel Souza Cursi (Fazenda) e Edmilson José dos Santos (Fazenda).

De acordo com a denúncia do MPE, os agentes públicos agiram em concluio para conceder benefícios fiscais irregulares para a JBS Friboi.

No entanto, os diretores da empresa procuraram o Governo do Estado e fizeram um acordo para o pagamento imediato de todas dívidas tributárias e fiscais no valor de R$ 376 milhões. No final do ano passado, o valor foi pago numa única parcela ao Estado, o que garantiu os salários e fornecedores em dia.

No TAC encaminhado ao magistrado e rejeitado, foi sugerido que, além de pagar as dívidas junto a secretaria de Fazenda, a JBS Friboi e o diretor pagariam cada um R$ 31 mil de multa civil, além de perder os direitos políticos por três anos.


Em sua decisão, Luís Aparecido Bortolussi Júnior explicou que seria "inadmissível" homologar o TAC, já que outros réus não seriam beneficiados pela mesma medida.
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização