Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Após ações do MPE, Justiça determina atuação efetiva de defensor público em Comarca

Após ações do MPE, Justiça determina atuação efetiva de defensor público em Comarca


A Justiça julgou procedente duas ações propostas pelo Ministério Público Estadual e condenou o Estado de Mato Grosso a garantir a presença de um defensor público na comarca de Brasnorte, mesmo que em cumulação com outro núcleo, no prazo de até 30 dias.
Na decisão, o magistrado destaca que a Defensoria Pública é uma instituição essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a orientação jurídica e a defesa, em todos os graus, dos necessitados, conforme dispõe o artigo 134 da Constituição Federal. “Assim, será concretizada a disposição constitucional de possibilitar o acesso à Justiça a todos, especialmente os que dela mais precisam”, traz trecho da sentença.
Em razão do Estado e da própria Defensoria Pública ter questionado a intervenção do Poder Judiciário em atos do Poder Executivo, o juiz salientou que a medida não “caracteriza ofensa à separação dos poderes, uma vez que visa garantir direito fundamental, conveniente ao interesse público”. 
De acordo com o Ministério Público, existem inúmeros processos em trâmite na comarca há anos, já que por diversas vezes os advogados nomeados para atuarem de forma dativa renunciam a nomeação. Há, ainda, muitos processos criminais correndo risco de prescrição
diante da demora em se conseguir defesa técnica para o réu, o que faz aumentar a sensação de impunidade e, consequentemente, aumentam os crimes no município.
“Não há como negar que os gastos com os defensores dativos nomeados sejam superiores que aqueles gastos com a manutenção de um defensor público na comarca”, frisa o magistrado.
Em caso de descumprimento da decisão, a pena a ser aplicada é de R$ 100 mil a ser destinada ao Fundo Estadual de Reparação de Direitos Difusos e Coletivos.


Assessoria de Imprensa do Ministério Público do Estado de Mato Grosso
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização