Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Única jogadora da seleção de basquete a furar boicote é demitida por clube

Única jogadora da seleção de basquete a furar boicote é demitida por clube




Única atleta a furar o boicote feito por cinco clubes que disputam a Liga de Basquete Feminino (LBF) e se apresentar à seleção brasileira para a disputa do evento-teste da Olimpíada, a pivô Clarissa foi dispensada de sua equipe, o Corinthians/Americana. A atleta foi comunicada por meio de uma carta na manhã desta terça-feira, quando se reapresentou o time. 

Segundo Ricardo Molina, presidente do Corinthians/Americana, a atleta foi dispensada por abandono de emprego.

"Ela quebrou o contrato por se ausentar dos treinos por 13 dias, entre 6 e 18 de janeiro. Ela abandonou a equipe. Não falou com ninguém", explicou Molina em rápido contato com o UOL Esporte.

O período a que Molina se refere é o mesmo em que Clarissa esteve com o time nacional, na fase de preparação para o evento-teste e a disputa do mesmo, no Rio de Janeiro.

A decisão do clube gerou revolta em Clarissa e seus representantes. Eles entendem que houve quebra unilateral de contrato por parte do clube e pretendem acionar a Justiça para cobrar direitos.

"Como a decisão foi deles (clube), não queremos falar muita coisa. Temos uma visão diferente. A Clarissa não abandonou nada. Ela foi servir o país. Agora é com a Justiça, ela que vai dizer quem está certo. Ficamos tristes pela atleta", disse o empresário da atleta Fabio Jardine.

"O clube em nenhum momento oficializou uma negativa formal à convocação, ela respeitou a sua vontade e se apresentou. Vamos buscar a reparação na Justiça do Trabalho para pleitear os direitos", afirmou o advogado da atleta, Filipe Souza.

A pivô de 27 anos fica agora desempregada, mas segundo o UOL Esporte apurou ela tem propostas para defender uma equipe da Europa ainda nesta temporada.


"Segui o que acreditei na minha cabeça e fiz o que quero, que é defender a seleção brasileira e representar bem o basquete feminino. Cada jogadora tem suas particularidades e eu fiz o que acreditava ser o melhor para mim. Eu não bati de frente com ninguém e até por isso não temo nenhum tipo de represália. O que mais quero é jogar pela seleção e ajudar este grupo como puder", afirmou na oportunidade.

Na última sexta-feira, após a estreia no evento-teste, contra a Argentina, ela repetiu o discurso.

"Eu não fiquei com medo e não furei bloqueio. Eu sou atleta, e atleta quer jogar. Essas coisas mais burocráticas ficam para quem tem de resolver, e para mim é o que acontece dentro das quatro linhas. O resto eu deixo para os cabeças grandes resolverem", disse.

Nesta terça-feira, em contato com o UOL Esporte, a atleta preferiu não entrar em polêmica: "Eu recebi da melhor forma possível. Não fiquei feliz, mas acredito que tudo tem um propósito e um porquê. Sei que tudo vai cooperar para meu bem".

"Ainda não estou com o sentimento de estar sem clube. Se é que você me entende... Não planejava isso, mas aconteceu. Agora eu penso continuar me preparando para os próximos dias", completou.

As atletas que foram impedidas pelos clubes de se apresentarem e alegaram motivos pessoais foram: Adrianinha, Tainá Paixão e Tati Pacheco (América de Recife), Gilmara e Joice (Americana/Corinthians), Jaqueline e Tássia (Santo André).Todas foram intimadas pelo Superior Tribunal de Justiça (STJD) da Confederação Brasielira de Basquete (CBB) a prestarem esclarecimentos em audiência na quinta-feira (21). 

Fonte: Fábio Aleixo, Guilherme Costa e Pedro Ivo Almeida Do UOL, em São Paulo e Rio de Janeiro - Foto: Fábio Aleixo / UOL

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização