Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Um ano depois, não há data para júri de ex-PM acusado de matar surfista

Um ano depois, não há data para júri de ex-PM acusado de matar surfista

Brentano usou capuz preto no momento da detenção (Foto: Guto Kuerten/Agência RBS)


Um ano após o assassinato do surfista Ricardo dos Santos, o Ricardinho, ainda não há data para o julgamento final do réu Luís Paulo Mota Brentano, o ex-PM. Conforme a defesa, na última quarta-feira (13) foi feito o pedido de recurso para retirar as qualificadoras do crime, a ser julgado pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ). Brentano é acusado de homicídio triplamente qualificado e por embriaguez ao volante.

O crime aconteceu depois de uma discussão na Guarda do Embaú, em Palhoça, na Grande Florianópolis, no dia 19 de janeiro do ano passado. Brentano disparou dois tiros contra o surfista - um pelas costas - que atingiram vários órgãos. Ricardinho passou por quatro cirurgias, mas morreu no dia seguinte. O ex-policial alega legítima defesa.

“Nossa solicitação é para que ele não seja julgado pelas qualificadoras de crime por motivo fútil, causando perigo comum e dificultando a defesa da vítima. Entendemos que cabe julgamento em tribunal do júri, mas sem emputar estas qualificadoras”, disse o advogado Leandro Nunes, que defende Brentano.

Brentano segue preso no 8º Batalhão da PM (Foto: Reprodução/Facebook)


Conforme o advogado, como o recurso foi protocolado na Justiça de Joinville, nesta semana ainda deve ser encaminhado para Florianópolis para que a procuradoria faça o parecer e seja enviado para o STJ. O advogado ainda informou que, enquanto tramitarem os recursos, não será marcada a data do tribunal do júri.

O advogado Adriano Salles Vanni, que representa a família na assistência de acusação, disse que as qualificadoras foram "criteriosamente empregadas" e, caso o STJ decida retirá-las, será feita uma solicitação para mantâ-las, na instância máxima, o Supremo Tribunal Federal (STF). "Temos convicção de que essas qualificadoras devem ser mantidas", disse Vanini.

TJ negou recurso

De acordo com o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), a última movimentação do caso foi no dia 15 de dezembro, quando o órgão negou outro recurso da defesa que solicitava que o caso não fosse julgado por meio de um tribunal do júri.

O G1 tentou contato com a 1ª Vara Criminal da Comarca de Palhoça, mas foi informado de que a juíza titular do caso, Carolina Ranzolin Nerbass Fretta, estava em férias. Nenhum juiz substituto disse estar autorizado a falar das movimentações.

Ex-PM segue em batalhão


Luis Mota Brentano permanece preso no 8º batalhão de Joinville, mesmo após ter sido expulso da corporação. Conforme o advogado do réu, a decisão de ficar no local é de caráter permanente até o julgamento, emitida pelo Tribunal de Justiça no dia 10 de setembro de 2015. O Ministério Público informou que não tem previsão de pedir a transferência de Brentano para outra unidade prisional até o julgamento.

Surfista mora na Guarda do Embaú, em Palhoça (Foto: Henrique Pinguim/Divulgação)


Habeas corpus negado

No início de setembro de 2015, o TJSC havia negado negado liminar de habeas corpus para Brentano. Na decisão, o desembargador Rodrigo Collaço entendeu "não ter ocorrido flagrante constrangimento ilegal ou nulidade que permita atender à pretensão liberatória, sem embargo de apreciação ulterior mais precisa".

No pedido de habeas corpus feito após o pedido de revogação da prisão preventiva ser negado, a defesa mencionou o risco de transferência para uma unidade prisional comum, o que "poderá comprometer a sua integridade física". A defesa também sustentou que ocorreu constrangimento ilegal e que a prisão cautelar foi decretada “com fundamento no clamor público e na repercussão do caso na imprensa".

Processos paralelos

Durante o procedimento interno da PM, a Justiça permitiu que Brentano trabalhasse durante a prisão, mas a própria polícia entendeu que não haveria função no batalhão que ele pudesse exercer. Apesar de estar afastado de suas funções, Brentano continuava recebendo o salário-base, mas teve o vencimento reduzido por não receber a indenização do serviço ativo – paga quando um policial trabalha nas ruas.

Fonte: Do G1 SC

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização