Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Tite diz que já recusou China e retira Cássio de jogo contra o Atlético-MG

Tite diz que já recusou China e retira Cássio de jogo contra o Atlético-MG

A permanência de Cássio no Corinthians se transformou em estímulo para Tite.


O goleiro tinha tudo alinhavado com o Besiktas-TUR, mas o 'fico' dele é o que o treinador usa agora para convencer os demais, como Gil e Elias, a recusarem investidas da China. O próprio treinador admitiu que disse não a um clube chinês em 2014. 

"Falei com Felipe, Jadson, com os outros. Disse que vou lutar dentro da minha esfera para que todos fiquemos juntos, que o grupo fique junto, é o papel do técnico e é minha convicção profissional. Foi o que disse aos que saíram e fico feliz que Cássio ficou", comentou o treinador. 

"Eu disse isso a ele. Quando não veio a confirmação (da ida ao Besiktas), eu disse 'tomara que aconteça naturalmente, mas meu sentimento humano como técnico é que não dê certo'. Estou feliz", complementou. 

Tite confirmou que Cássio não jogará no domingo diante do Atlético-MG, na abertura da Flórida Cup. O goleiro precisa se condicionar melhor para voltar à atividade e fará um trabalho extra. "Ele vai fazer três turnos e trabalhar para estar pronto. Ele olhou para mim e falou 'estou feliz em ter ficado'. Vai trabalhar que quem vai jogar é o Walter". 

O treinador assumiu: há dois anos, logo após deixar o Corinthians, ele teve proposta sedutora para trabalhar na China. "Eu estava desempregado e não fui para a China porque pensei em plano de carreira para mim. Tive uma reunião para isso e recusei". 

Veja mais declarações de Tite

LIBERTADORES EM PERIGO

A Libertadores corre risco. É inevitável. Corre-se risco sim. Ninguém da gente queria que fosse assim, mas corre. O que antes era expectativa da briga pelo título agora vira uma interrogação.

TIME ABERTO

"O meu estágio é de brigar para ficar quem está aqui. Para a gente ir por degraus, por etapas, para todos permanecerem e ficarem voltados. A vinda aos Estados Unidos é importante. Vem com uma expectativa, por jogos com Atlético e Shakhtar em alto nível, mas também com atletas entrando e tendo oportunidade. É a chance para quem vem, para quem tem qualidade e para quem serviu em oportunidades que estiveram bem. É o caso do Romero, de Danilo, de Rodriguinho. É o caso do Walter, do Bruno Henrique". 

IMPORTÂNCIA DE GIL E ELIAS

São lideranças, são expoentes com papel importante. Daqui a pouco, entra o Arana e vê 'tem o Gil do meu lado'. O Malcom olha e 'estou aqui com o Elias'. Foi assim com Felipe também. Precisamos estar fortes. Daqui a pouco o Fagner olha para o Edilson e eles pensam 'o bicho vai pegar, são dois feras'. 

MUDANÇAS TÁTICAS

Eu não sei qual sistema ser utilizado. Vou potencializar qualidade da equipe, vou aproveitar e ver esses jogos, aí está a definição do sistema. Não acredito em fórmula mágica.

Fonte: Dassler Marques Do UOL, em Orlando (Estados Unidos) - Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização