Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Polícia Federal conclui que intimação do filho de Lula foi regular

Polícia Federal conclui que intimação do filho de Lula foi regular

Luiz Cláudio Lula da Silva foi intimado a depor em outubro do ano passado




O Ministério da Justiça informou nesta segunda-feira (11) que o ministro José Eduardo Cardozo decidiu arquivar a apuração sobre o procedimento de intimação de Luís Cláudio Lula da Silva, filho caçula do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a pasta, após cobrar esclarecimentos à Polícia Federal, Cardozo concluiu que não houve irregularidades na intimação.

Em 27 de outubro do ano passado, Luís Cláudio foi intimado a depor à PF para esclarecer as suspeitas de que uma empresa dele recebeu propina do esquema de corrupção que atuava no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), ligado ao Ministério da Fazenda. A suposta fraude em julgamentos e venda de sentenças do Carf é investigada pela Operação Zelotes.

Como a intimação havia ocorrido após 23h, Cardozo, pediu esclarecimentos ao diretor-geral da PF, Leandro Daiello, para apurar se o procedimento ocorreu "fora do procedimento usual".

Investigação

Em outubro de 2015, a PF cumpriu mandado de busca e apreensão nas empresas de Luís Cláudio, em São Paulo, por ordem da juíza Celia Regina Bernardes. No despacho que ordenou as buscas, a magistrada ressaltou que a LFT – uma das empresas do filho de Lula – recebeu, em 2014, R$ 1,5 milhão do escritório de advocacia do vice-presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Mauro Marcondes.

O escritório de Marcondes é investigado na Zelotes por ter atuado de forma supostamente ilegal pela aprovação da MP 471, que beneficiou o setor automotivo.

Desde o ano passado a defesa de Luís Cláudio tem negado em nota irregularidades em contratos assinados pelas empresas dele.

Fonte: Filipe Matoso Do G1, em Brasília - Foto: Reprodução

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização