Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » 'Pena já foi a morte', diz delegado sobre pai que esqueceu filho em carro

'Pena já foi a morte', diz delegado sobre pai que esqueceu filho em carro

Menino de 2 anos morreu após ter sido esquecido dentro do carro em Cuiabá. (Foto: Reprodução/Facebook)


A Polícia Civil acredita que a Justiça deverá aplicar o perdão judicial após o envio do inquérito que apura a morte de uma criança de dois anos que foi esquecida dentro de um carro em Cuiabá. Frederico era filho do delegado Geraldo Gezoni, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), e morreu na última terça-feira (26).

O caso será investigado pela Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica). Segundo o delegado Eduardo Botelho, o procedimento de investigação é comum na polícia e, após o fim da apuração do caso, o inquérito será encaminhado ao Poder Judiciário.

“Só a Justiça pode conceder o perdão judicial. Mas ele é normalmente aplicado em casos como esse, porque se entende que não há pena maior para o pai do que a morte do próprio filho”, afirmou Botelho.

O delegado disse que aguarda apenas o encaminhamento do expediente por parte da DHPP, que atendeu o caso, e o resultado do exame de necropsia da criança para realizar a abertura do inquérito.

O caso

Segundo o laudo o Instituto de Medicina Legal (IML), a causa da morte foi asfixia por confinamento. Frederico passou cerca de cinco horas no banco de trás de um carro fechado.

O menino, filho único, deveria ter sido levado para uma escolinha no início da tarde, mas o pai acabou indo direto para o trabalho. Ele só percebeu o que havia acontecido no final da tarde.

Frederico chegou a ser socorrido numa unidade de Pronto Atendimento particular da capital, mas não resistiu.

Relato

No hospital, o delegado disse à polícia que por volta de 14h [horário de Mato Grosso] estava levando Frederico para a escola e que o filho dormia na cadeirinha no banco traseiro do veículo. No trajeto, Gezoni foi chamado pelos colegas para um procedimento de transferência de uma pessoa detida para um presídio.

O delegado, que era o responsável pela DHPP naquele dia, foi para a delegacia atender ao chamado. Ele diz que estacionou o carro no pátio e acabou esquecendo o filho. Ao final do dia, o delegado foi para casa e ao encontrar a mulher percebeu que a criança estava desmaiada no carro.

O casal ainda tentou reanimar o menino e o levou para o pronto-atendimento, onde a morte do menino foi declarada. O corpo da criança foi sepultado na quarta-feira (27), no Cemitério Parque Bom Jesus de Cuiabá.

Fonte: Do G1 MT

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização