Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » “Não morremos porque não estava na nossa hora”, diz vereador

“Não morremos porque não estava na nossa hora”, diz vereador



O vereador Hélio Pichioni (PR), que estava a bordo da aeronave da Passaredo Linhas Aéreas que errou a pista ao tentar descer no Aeroporto Maestro Marinho Franco, em Rondonópolis, relatou os momentos de terror que viveu durante o pouso. Segundo o político, o piloto atingiu a plantação de soja, que fica a 300 metros da pista e teve de arremeter: “Não morremos porque não estava na nossa hora”. A tripulação deixou os passageiros às escuras e não informou o que havia ocorrido.

“Estávamos chegando em Rondonópolis e quando foi descer o piloto errou. Ele atingiu uma plantação de soja que fica a 300 metros da pista, bateu no chão, fez um grande barulho, tipo um estouro. No mesmo instante, ele levantou e arremeteu. Foi aquele desespero dentro do avião, o povo gritando e todo mundo apavorado”, revela o vereador em entrevista ao Olhar Direto.

Segundo Hélio, mesmo com os danos na aeronave o piloto conseguiu subir novamente e eles ficaram mais 10 minutos no ar, até que o avião conseguiu pousar: “Nesse tempo todo não houve nenhuma informação da tripulação. Ficamos todos sem reação, só aguardando o desfecho”.

“É uma coisa muito complicada, difícil. Não desejo para ninguém o que eu passei. Só ficamos sabendo do acontecido no outro dia. Ninguém falou nada quando pousamos, nem os pilotos e nem aeromoças. Não morremos porque não estava na nossa hora, não sei como o trem de pouso não quebrou”, relata o vereador.

Hélio ainda ressalta que as condições climáticas não eram tão ruins: “O que é estranho é que quando estávamos descendo tinham algumas nuvens, mas o tempo estava limpo, sem nevoeiro. Nós até conseguimos enxergar a cidade lá de cima. Por sorte ninguém se machucou. É uma experiência que não desejo passar nunca mais”.

O vereador conta que passou todo o sábado em choque, pensando no que poderia ter acontecido de pior: “Depois é que vai caindo a ficha”, finaliza. Nenhum dos passageiros teve de receber atendimento médico. Porém, alguns saíram bastante assustados com a situação.

O caso

A aeronave (ATR-72) da Passaredo Linhas Aéreas que atingiu uma lavoura de soja e rompeu uma cerca de arame farpado ao tentar pousar no Aeroporto Maestro Marinho Franco, em Rondonópolis, no último sábado (09), sofreu danos em sua fuselagem e na hélice. Relatos apontam que o avião ‘errou a pista’ e pousou na plantação. Em nota, a empresa informou ter sido necessário o procedimento de arremetida, após toque da aeronave no solo.

Olhar: Wesley Santiago Olhar Direto - Foto: Reprodução/Montagem
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização