Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » MPE investiga suposto esquema de Galindo, WS e empreiteira

MPE investiga suposto esquema de Galindo, WS e empreiteira

Wilson Santos e Chico Galindo são investigados por suspeita de improbidade




O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou inquérito civil para apurar supostos atos de improbidade administrativa e enriquecimento ilícitos por parte dos ex-prefeitos de Cuiabá Chico Galindo (PTB) e Wilson Santos (PSDB), que atualmente é deputado estadual e líder do Governo do Estado.

O procedimento foi oficializado por meio de portaria assinada pelo promotor André Luis de Almeida, na última terça-feira (12).

Conforme o documento, a investigação é motivada por depoimentos prestados pelo empresário Robinson Todeschini, proprietário da empresa Constil Construções e Terraplanagens, dando conta de um suposto esquema de pagamento de propina, envolvendo os dois ex-gestores.

A empreiteira teria participado de triangulações, comandadas pelo ex-secretário Eder Moraes, para alimentar o esquema de corrupção investigado na Operação Ararath.

Segundo Todeschini, o empresário Bruno Simoni, da empreiteira Constil Construções e Terraplanagem Ltda., foi quem lhe explicou como o suposto esquema funcionava.

O MidiaNews publicou reportagem, em maio do ano passado, com trechos do depoimento prestado pelo empresário à Policía Federal, no dia 23 de maio de 2014, e que indicavam o suposto esquema para desviar dinheiro público (leia AQUI). 

Segundo o MPE, o empresário afirmou que Santos e Galindo teriam concordado em aumentar o valor de notas fiscais de medições realizadas pela empresa Constil, durante a execução de obras do Programa Poeira Zero (asfaltamento).

O valor excedente, segundo o empresário, seria revertido para os gestores.

A portaria cita ainda o depoimento prestado pelo empresário, na Superintendência da Polícia Federal, em fatos relacionados à Operação Ararath.

Na ocasião, ele declarou que, no ano de 2011, verificou que foram retirados de R$ 2 milhões a R$ 3 milhões, por meio de cheques administrativos endossados por Bruno Simoni - seu sócio na empresa Constil - e depositados em contas-correntes de suas próprias empresas, com a finalidade de circular dinheiro para depois repassar, de forma pulverizada, para terceiros indicados por Wilson e Galindo.

“Acordo”

Também de acordo com o empresário, seu sócio, Bruno Simoni, teria feito um “acordo clandestino” com o ex-prefeito Wilson Santos, se comprometendo em aumentar o valor das notas-fiscais emitidas pela empresa Constil pelos serviços prestados na execução do Programa Poeira Zero.

Pelo combinado, a medição seria realizada em trechos executados pela própria Prefeitura de Cuiabá, o que possibilitaria a devolução do valor excedente das notas fiscais supostamente superfaturadas a Wilson Santos.

O “acordo”, conforme relatado pelo empresário, teria ocorrido quando o vice-prefeito Chico Galindo assumiu o comando do Município.

Ainda segundo ele, “o negócio escuso” teria permanecido sob a responsabilidade de Galindo, com a ciência de Wilson Santos.

Depoimento

Ao instaurar o inquérito, o promotor André Luis determinou a notificação do empresário Robison Todeschini, para comparecer à Promotoria de Justiça da Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, no próximo dia 28, para prestar esclarecimentos sobre a denúncia.




Fonte: CAMILA RIBEIRO MídiaNews - Foto: Marcus Mesquita/MidiaNews

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização