Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Justiça afasta secretário de saúde por "conduta omissiva"

Justiça afasta secretário de saúde por "conduta omissiva"



O juiz da 3ª Vara Cível da Comarca de Barra do Garças, Wagner Plaza Machado Junior, afastou o Secretário de Saúde do município, George Câmara Maia, até que seja, finalmente, cumprido o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), dando solução ao problema dos estoques de medicamentos da rede pública da cidade.

O TAC 003, de 2010, firmado entre o município de Bara do Garças e o Ministério Público se deu em 6 de julho de 2010, tendo em vista que a Secretaria de Saúde de Barra do Garças deixou de administrar adequadamente os estoques de medicamentos e insumos de saúde que estão sob sua responsabilidade, tanto no nível da atenção básica quanto no nível hospitalar.

À época, determinou-se que o secretário de saúde sanasse as irregularidades em um prazo de 15 dias. O município respondeu dizendo que estava providenciando a regularização das inconformidades, mas pediu um novo prazo uma vez que estava providenciando a troca de secretário de saúde.

Saúde Precária: 

Segundo o relatório de diligência, o espaço físico onde fica os medicamentos da rede hospitalar do município é pequeno e insuficiente para acomodar de forma adequada os medicamentos e insumos e que apresenta fiação exposta, buracos, presença de mofo e teias de aranha. Quanto aos medicamentos, verificou-se que ficam expostos ao sol, sem controle de temperatura, e que o controle de estoque é realizado de forma precária, não havendo vigilância da entrada e saída.

Em novembro de 2015, os servidores do MP promoveram nova diligência nas dependências da Central de Assistência Farmacêutica. Verificou-se que as irregularidades persistiam e foi solicitado de imediato o afastamento do secretário de saúde até que as obrigações fossem cumpridas, sob pena de multa de R$ 100,00 diária.

Justiça:

O artigo 14, V, parágrafo único do Código de Processo Civil, diz que “mostra-se necessário a adoção de medidas judiciais para fazer frente à dita conduta omissiva, assegurando a efetivação da tutela deferida.

Mais uma vez, a multa aplicada mostrou-se ineficaz e o município continuou a descumprir a decisão. E, novamente, a prefeitura, na ocasião de suas intimações, justificou sua inércia no cumprimento das obrigações noticiando que estaria providenciando a regularização dos problemas apontados na inspeção e alegando que a unidade seria transferida de prédio. Não havendo, entretanto, previsão para tal mudança.

Em decisão interlocutória, o juiz Wagner Plaza garante “restar evidente que o município tem se aproveitado, reiterando sua omissão injustificada no cumprimento das obrigações assumidas, já que lhe fora oportunizada por mais de duas vezes, a possibilidade de justificação. Assim, diante de total descaso com a determinação judicial, faz-se necessário a adoção de outras medidas que visem assegurar o resultado prático equivalente ao adimplemento da execução”.

Para tanto, o magistrado expediu mandado para a Prefeitura, para que, no prazo de 24 horas, promova o afastamento do atual secretário municipal de saúde até demonstrado o efetivo cumprimento dos deveres, nos termos do art. 461, 5º do CPC.

Fonte: Paulo Victor Fanaia Olhar Direto -  Foto: Reprodução
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização