Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Governo abre processo contra OSS que teria deixado paciente morrer

Governo abre processo contra OSS que teria deixado paciente morrer





O secretário de Estado de Saúde, Eduardo Bermudez, e o controlador-geral do Estado, Ciro Rodolpho Gonçalves, determinaram a abertura de dois processos administrativos para investigar falhas no cumprimento de contratos, em portarias publicadas no Diário Oficial que circula nesta quinta-feira (21).

Um dos processos é contra a Organização Social de Saúde (OSS) Sociedade Beneficente São Camilo, que gerencia o Hospital Regional de Rondonópolis desde 2011. Os secretários determinam a investigação da denúncia de que a OS teria deixado de prestar atendimento médico condizente com o contrato, pois teria havido falha no atendimento ao paciente Arthur Spiess, o que levou à sua morte. Se a investigação comprovar má prestação dos serviços, serão aplicadas penalidades à entidade.

Apesar da investigação, a gestão terceirizado do Hospital Regional de Rondonópolis é considerada pelo governo estadual um caso de sucesso, ao lado da gestão do Hospital Regional de Cáceres, que é de responsabilidade da Associação Congregação de Santa Catarina. Tanto que todos os outros contratos com OSS foram rompidos ou sofreram intervenção do Estado, e apenas esses dois hospitais seguem com a terceirização.

O segundo processo aberto é contra a empresa Medcomerce - Comercial de Medicamentos e Produtos Hospitalares Ltda. A empresa supostamente teria descumprido o contrato com o Estado, pois, apesar de ter recebido notas de empenho, comprovando que o governo tinha orçamento para pagar os valores, a empresa não entregou os produtos. Em um dos casos, a Medcomerce alegou que não entregaria os produtos diante da impossibilidade de manter o preço ofertado no pregão.

Na última quarta-feira (20), o secretário de Saúde já havia determinado a abertura de processos administrativos para investigar outras duas OSS, o Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) e Fundação de Saúde Comunitária de Sinop, que administraram os hospitais de Sorriso e Sinop, respectivamente. Os dois hospitais estão sob intervenção do governo estadual, em função de problemas na gestão. Se condenadas, as duas entidades podem perder a qualificação como OS e serem proibidas de atuar em Mato Grosso.

Fonte: Laíse Lucatelli Olhar Direto - Foto: Reprodução
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização