Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Governo abre processo contra duas OSS; podem perder direito de atuar em MT

Governo abre processo contra duas OSS; podem perder direito de atuar em MT



O secretário de Estado de Saúde, Eduardo Bermudez, instaurou dois processos administrativos para investigar irregularidades na gestão dos hospitais regionais de Sorriso e Sinop. Os alvos dos processos são as Organizações Sociais (OS) Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) e Fundação de Saúde Comunitária de Sinop, que administraram os hospitais, de Sorriso e Sinop, respectivamente. Os dois hospitais estão sob intervenção do governo estadual, em função de problemas na gestão.

Os processos vão avaliar, também, se as duas entidades continuarão sendo qualificadas como Organizações Sociais pelo Estado de Mato Grosso. Se as entidades perderem a qualificação de OS, elas ficam proibidas de atuar dessa forma em Mato Grosso, pois as autorizações precisam ser concedidas em cada Estado.

Para instaurar os processos, o secretário levou em consideração relatórios de auditoria e desempenho na execução das metas. No caso do hospital de Sorriso, foram consideradas também denúncias, tanto de pacientes sobre a qualidade do atendimento, quanto de gestão inadequada. O prazo para conclusão dos trabalhos é de 30 dias.

A gestão terceirizada dos hospitais regionais de Mato Grosso começou a ser implantada em 2011, no governo de Silval Barbosa (PMDB) e na gestão de Pedro Henry como secretário de Saúde. Os únicos “casos de sucesso” reconhecidos pelo governo atual foram na gestão dos hospitais de Cáceres e Rondonópolis.

Os problemas na gestão das Organizações Sociais em todas as outras unidades levaram a Assembleia Legislativa a criar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das OSS, para investigar irregularidades. A CPI teve início em maio de 2015 e deve ser concluída no início deste ano.

Fonte: Laíse Lucatelli Olhar Direto - Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização