Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Ex-prefeito é condenado por usar verbas de combate a dengue para pagar despesas

Ex-prefeito é condenado por usar verbas de combate a dengue para pagar despesas




A utilização de recursos destinados ao combate ao mosquito da dengue para pagamento de outras despesas resultou na condenação do ex-prefeito de Barra do Garças, Wanderlei Farias Santos, e da ex-secretária de Saúde, Daniela Sallun, por ato de improbidade administrativa. Os dois estão proibidos de contratar com o Poder Público, receber benefícios ou incentivos fiscais creditícios direta ou indiretamente por um prazo de três anos. O Wanderlei também teve os direitos políticos suspensos pelo mesmo período.

De acordo com o Ministério Público, as irregularidades foram cometidas no ano de 2009. Consta na ação, que na época o município de Barra do Garças recebeu mais de 12 milhões para a implementação de medidas na área da saúde, sendo que, desse valor, mais de 180 mil foram destinados para o controle de doença epidemiológica.

“Os réus, em vez de utilizarem o dinheiro exclusivamente ao combate ao vetor da dengue, utilizaram-no para pagamento de licença prêmio, aquisição de armário, pagamento de certidão do Conselho Regional de Farmácia, aquisição de muletas ou material hospitalar”, diz a ação.

No mesmo ano, conforme o Ministério Público, o número de pessoas que contraíram a dengue na cidade aumentou consideravelmente. Foram registrados vários óbitos, entre eles, o de um garoto de nove anos de idade. Entre os meses de janeiro a dezembro foram detectados 3.086 casos da doença.

Verifica-se que numa época em que a população estava abalada, tormentosa, os réus, em razão de suas omissões, ofendiam os princípios da legalidade, da moralidade e da eficiência, praticando condutas omissivas, ainda que aleguem que o valor desviado para outra finalidade não foi tão elevado”, argumentou o MPE.

Fonte: Arthur Santos da Silva Olhar Direto - Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização