Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Ex-deputado deve depor sobre desvio de R$ 5 milhões na ALMT

Ex-deputado deve depor sobre desvio de R$ 5 milhões na ALMT

Ex-deputado José Riva está preso desde outubro de 2015 (Foto: Mario Friedlander/ALMT)


O ex-deputado José Geraldo Riva deve ser ouvido em uma audiência de instrução e julgamento na 7ª Vara Criminal de Cuiabá, às 15h30 desta quinta-feira (28), em Cuiabá. De acordo com o Tribunal de Justiça, Riva responde por peculato e lavagem de dinheiro em crimes que teriam sido cometidos entre 1999 e 2002. O ex-deputado está preso no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC) desde outubro 2015 sob a acusação de desvio de dinheiro na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

Foram chamados a depor, sob a condição de testemunhas, Humberto Bosaipo, ex-conselheiro do Tribunal de Contas (TCE-MT), o ex-deputado estadual Hermínio José Barreto e o ex-deputado Eliene Lima. No entanto, a assessoria do TJMT informou que as testemunhas não foram localizadas para serem intimadas. As ações são 'desdobramentos' da Operação Arca de Noé, deflagrada pela Polícia Federal, em 2002, contra o crime organizado no estado.

Consta na denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) que Riva teria relação com uma empresa para forjar serviços com a ALMT no valor de R$ 3.363.722,64 para possibilitar o desvio de dinheiro dos cofres públicos estaduais. Os advogados de José Riva informaram que devem se pronunciar sobre o caso apenas no momento da audiência.

Conforme a denúncia, o saque dos cheques da empresa eram feitos na boca do caixa por representantes do próprio legislativo mato-grossense. A mesma situação ocorreu com outra empresa, dessa vez no valor de R$ 2.153.393,66.

“O saque dos cheques emitidos em favor da empresa eram efetuados diretamente no caixa do banco por representantes da própria ALMT, [que] faziam a provisão para os saques e compareciam à agência, onde efetuavam pessoalmente a retirada do dinheiro, ficando comprovado o desvio e a apropriação indevida de dinheiro público”, diz trecho do processo.

O MPE diz que Riva e os demais réus do processo, precisando de dinheiro para despesas pessoais ou campanhas eleitorais, recorriam à empresa, que trocava os cheques por dinheiro ou compensavam os valores.

Riva está preso desde outubro após a Operação Metástase, O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), que apura desvio de dinheiro dos cofres da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). O ex-deputado responde a mais de 100 ações na Justiça, entre cíveis e criminais.

Fonte: Do G1 MT

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização