Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Desemprego fica em 9% no trimestre até outubro; maior taxa da série

Desemprego fica em 9% no trimestre até outubro; maior taxa da série

A taxa de desemprego ficou em 9% no trimestre encerrado em outubro de 2015, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa foi a maior taxa da série histórica, iniciada em 2012.

No trimestre encerrado em julho, a taxa havia atingido 8,6% e no período de agosto a outubro de 2014, chegou a 6,6%.

A população desocupada chegou a a 9,1 milhões de pessoas. Isso representa um aumento de 5,3% em relação ao trimestre de maio a julho e de 38,3% em comparação com o mesmo período de 2014.

Por outro lado, a população ocupada atingiu 92,3 milhões de pessoas e mostrou estabilidade nas comparações mensal e anual.

Reflexo da deterioração do mercado de trabalho no período, o número de empregados com carteira assinada recuou 1% na comparação com o trimestre anterior (encerrado em julho) e 3,2% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Pessoas preenchendo fichas de emprego em São Paulo (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)


Com a redução da oferta de trabalho, o número de empregadores e trabalhadores por conta própria cresceu: 5,7% e 4,2%, respectivamente, em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

Em relação ao trimestre de maio a julho de 2015, o número de trabalhadores na indústria geral caiu 2,6%. Frente ao mesmo período de 2014, o recuo foi bem maior, de 5,6%. Por outro lado, os grupamentos referentes ao comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas cresceu 2,3%, bem como transporte, armazenagem e correio (4,6%) e alojamento e alimentação (4,7%).

Renda

O rendimento médio dos trabalhadores sofreu redução de aproximadamente 1% em ambas as comparações, ficando em R$ 1.895 de agosto a outubro.

No caso do trabalhador doméstico e o conta própria, os rendimentos caíram 2,4% e 5,2%, respectivamente. No salário das outras categorias, não houve mudança significativa de valores, de acordo com o IBGE.

Fonte: Do G1, em São Paulo

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização