Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Crianças que cresciam analfabetas devem voltar à escola este ano

Crianças que cresciam analfabetas devem voltar à escola este ano

Crianças da Ilha do Piraim, em Poconé, não têm acesso à escola (Foto: Reprodução/ TVCA)


Treze crianças e adolescentes que cresciam analfabetas na Ilha do Piraim, comunidade localizada entre Barão de Melgaço e Poconé, a 121 e 104 km de Cuiabá, respectivamente, deverão continuar os estudos em Poconé a partir deste ano. De onde moram, os jovens dependem do uso integrado de barco e ônibus para chegarem à escola.

Segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), foi definido que o transporte fluvial do grupo da ilha até Porto Cercado será de responsabilidade da Prefeitura de Barão de Melgaço. A partir daí até a escola, localizada na zona urbana de Poconé, o transporte ficará a cargo da prefeitura local.

A decisão foi tomada em uma reunião realizada na terça-feira (12) pelas secretarias de educação do estado e dos dois municípios, com a participação do juiz Edson Dias Reis, do Juizado Especial Itinerante, que acompanha o caso.

A Seduc deverá fazer os repasses necessários para os municípios, a fim de garantir o transporte escola das crianças e adolescentes, conforme convênio firmado com as prefeituras dos dois municípios, que prevê contrapartidas por parte das prefeituras.

Os dois municípios deverão fazer o levantamento das linhas que serão percorridas e dos custos de cada transporte, trabalho que será feito em parceria com a Superintendência de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar da Seduc.

Obra adiada

O governo do estado decidiu, na mesma reunião, adiar a construção da unidade escolar anexa que já havia sido anunciada pela Seduc na comunidade. Na ocasião, foram analisadas questões como a qualidade do ensino que seria oferecido e a falta de professores para atuar na escola.

A unidade, contendo sala de aula, banheiros, copa e cozinha, seria construída em um terreno cedido em regime de comodato por um morador da comunidade, com cerca de 400 m². A obra seguiria um modelo de projeto inovador termoacústico implantado pela Seduc, de rápida construção, com estrutura pré-moldada.

Outras comunidades


Segundo a Seduc, a prefeitura de Barão de Melgaço irá realizar o levantamento de possíveis alunos a serem atendidos em outras localidades ainda não pesquisadas. É o caso dos ribeirinhos que estão instalados acima da ilha do Piraim, no Rio Cuiabá, até a altura da comunidade “Boca do Sapé”.

Fonte: Do G1 MT

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização