Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Caos esportivo do Brasil ofusca primeiro evento-teste da Rio-2016 no ano

Caos esportivo do Brasil ofusca primeiro evento-teste da Rio-2016 no ano

Arena Carioca 1, onde será jogado o torneio olímpico do basquete


Começou nesta sexta-feira (15), no Parque Olímpico da Barra da Tijuca, o primeiro evento-teste dos Jogos Olímpicos Rio-2016 no ano. No entanto, não há disputa esportiva ou inauguração de arena que apareça entre os assuntos mais comentados do torneio de basquete feminino entre Argentina, Austrália, Brasil e Venezuela. Em uma competição que já estava esvaziada por outros motivos, o caos esportivo da seleção anfitriã virou o assunto mais relevante.

Em dezembro de 2015, os clubes que disputam a LBF (Liga de Basquete Feminino) romperam com a CBB (Confederação Brasileira de Basquete). Entre as reivindicações das equipes estava uma participação mais efetiva na gestão da seleção, o que não foi atendido.

Por causa do embate, os times resolveram boicotar o evento-teste e impediram que sete jogadoras convocadas pelo técnico Antônio Carlos Barbosa se apresentassem à equipe nacional. O treinador sofreu para fechar um elenco para o evento-teste – duas atletas foram convocadas às pressas, e o grupo só foi fechado durante os treinos.

"Acho que a reivindicação tem algumas coisas justas, mas fui um pouco contra a maneira e o momento. Os clubes estão pedindo um pouco mais de entrosamento e querem ser mais ouvidos, e nisso eles têm razão. Mas neste momento, proibir uma jogadora de vestir a camisa do país dela é um pouco cruel", avaliou a ex-jogadora Hortência.

"É um momento que a gente espera que passe logo", disse a também ex-jogadora Janeth. "Vejo egos. Quem abaixar um pouco mais vai ajudar a melhorar as coisas. Sempre achei que a conversa é o caminho", completou.

O principal problema para a seleção brasileira é que não há sinal de conciliação. Ao contrário: depois do evento-teste, a relação ruim entre CBB e clubes vai ser o tom da preparação do país para os Jogos Olímpicos.

"Não teremos mais convocações até acabar a temporada. Aí as jogadoras ficarão sem contratos e nós não teremos mais problemas. Acho que agora acabou. A história já foi", opinou Hortência.
Preparação? No Brasil, assunto é a crise

O evento-teste poderia ser um bom momento para o basquete feminino do Brasil conhecer a estrutura que será usada nos Jogos Olímpicos e medir forças com rivais de diferentes níveis. Na seleção verde-amarela, porém, não existe espaço para nada disso. O assunto é a crise.

Sete jogadoras convocadas para o evento-teste pediram dispensa por orientação de seus clubes. O esvaziamento foi o ápice de um conflito entre as equipes e a CBB sobre a gestão da equipe nacional.

Os seis times que disputam a LBF escancaram um litígio com a CBB em dezembro do ano passado. Insatisfeitos com a gestão da seleção, dirigentes dos clubes pediram mais participação e ameaçaram não liberar atletas para o evento-teste. Em meio a esse processo, antes mesmo de a debandada passar de ameaça a realidade, o técnico Luiz Augusto Zanon alegou problemas de saúde e se afastou do cargo.

Antônio Carlos Barbosa, escolhido para o lugar dele, tem 70 anos e havia deixado a seleção em 2007, depois de 20 anos trabalhando com a equipe nacional. A passagem atual é a terceira do treinador pelo cargo.

"Trabalhei com o Barbosa durante muito tempo. Foi uma pessoa muito bem indicada para este momento, que é de crise. É experiente, político e conhece bem as jogadoras. Foi um bom nome", avaliou Hortência.

Brasil precisou recorrer a desempregada para ter seleção completa

Barbosa teve de recorrer a uma desempregada para fechar o elenco do evento-teste. Julia de Carvalho, 28, que disputou o Paulista A2 pelo XV de Piracicaba e não renovou contrato, foi chamada para disputar o torneio no Rio de Janeiro.

Julia não entra em quadra desde dezembro, quando terminou o Paulista A2. A ala não teve contrato renovado e não recebeu qualquer proposta desde então.

Ele também contou com a iniciativa da pivô Clarissa, do Corinthians/Americana, que contrariou a decisão dos dirigentes e furou o boicote. "Fiz o que eu quero, que é defender a seleção brasileira e representar o basquete feminino", disse a atleta no dia 6 de janeiro.

Nem tudo serve como teste no evento-teste

O evento-teste marca a inauguração da Arena Carioca 1, que será o palco das partidas de basquete na Rio-2016. Entretanto, nem tudo que as atletas verão no Parque Olímpico servirá como parâmetro para os Jogos.

O placar eletrônico, por exemplo, foi colocado atrás das cestas para o evento-teste. Pelo posicionamento e pelo tamanho, o aparato criou uma série de pontos cegos.

Até os Jogos, a ideia do Comitê Rio-2016 é instalar um placar eletrônico no meio da quadra, preso no teto, similar ao que é usado na NBA (liga profissional de basquete dos Estados Unidos).

O placar, contudo, não é a única coisa que não servirá como teste. O torneio desta semana também será disputado com arquibancadas vazias – fechado ao público, o evento não teve venda de ingressos.

A identidade visual do ginásio também não é a que será usada nos Jogos, e a repercussão será menor. Ao contrário da Rio-2016, que será exibida em todo o planeta, o evento-teste não terá transmissão nem sequer nas TVs brasileiras.

Rivais podem não ser adversários nos Jogos Olímpicos

A Austrália, campeã da Oceania, já tem vaga assegurada nos Jogos Olímpicos de 2016. No caso das outras seleções que disputam o evento-teste, porém, a competição pode ser o mais próximo que elas chegarão do Rio de Janeiro neste ano.

Argentina e Venezuela ainda terão de passar por um Pré-Olímpico organizado pela Fiba, que será entre os dias 13 e 19 de junho deste ano. A competição terá 12 seleções de todo o planeta, e apenas as cinco primeiras terão vaga nos Jogos.

Austrália será rival na Rio-2016. Mas qual Austrália?

Ao contrário de Argentina e Venezuela, a Austrália já está garantida nos Jogos. No entanto, a seleção de basquete feminino da Oceania que está no Rio de Janeiro para o evento-teste está longe de ser a que vai disputar o torneio olímpico.

Das 12 jogadoras convocadas para o evento-teste, apenas seis fizeram parte do elenco que terminou o Mundial de 2014 na terceira posição. Entre as novatas, as australianas ainda perderam Tess Madgen, lesionada.

O destaque da seleção australiana é a armadora Erin Phillips, 30, que fez parte da equipe que venceu o Mundial de 2006 no Brasil. "Vai ser uma grande oportunidade para conhecer a arena e saber como as coisas funcionam por aqui", disse a jogadora.

Fonte: Guilherme Costa Do UOL, no Rio de Janeiro - Foto: Daniel Zappe/MPIX/CPB

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização