Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Brasil registrou 4.180 suspeitas de microcefalia, descartando 462

Brasil registrou 4.180 suspeitas de microcefalia, descartando 462




O Brasil já registrou 4.180 suspeitas de microcefalia desde o início da atual epidemia do vírus zika, associado a esse problema de desenvolvimento neurológico. Desses casos, porém, 462 foram descartados, afirma o Ministério da Saúde, para quem o pico da epidemia já passou.

“Em relação ao boletim divulgado no dia 20 de janeiro, é possível constatar a tendência de redução no número de notificações. O aumento identificado em uma semana de casos notificados foi de 7%. No entanto, a quantidade de casos descartados cresceu 63%, passando de 282 para os atuais 462”, afirmou comunicado do ministério citando Cláudio Maierovitch, diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis.

A região Nordeste tem 86% das notificações, sendo que Pernambuco continua com o maior número de casos em avaliação (1.125). Os outros oito estados mais afetados são (497), Bahia (471), Ceará (218), Sergipe (172), Alagoas (158), Rio Grande do Norte (133), Rio de Janeiro (122) e Maranhão (119).

De todos os estados do país, Santa Catarina é o único que, oficialmente, não tem nenhum caso de microcefalia, pois a única suspeita foi descartada. Acre, Amapá e Amazonas não fizeram levantamento.

Apesar de os casos de microcefalia terem uma correlação grande com a presença do vírus, em poucos casos a zika é efetivamente diagnosticada nas gestantes. O governo tem confirmado a presença por PCR, um tipo de exame que detecta traços do material do vírus, mas o teste é caro e só encontra o vírus no momento da virose.

Para detectar viroses passadas -- que tenham prejudicado o desenvolvimento de um feto já nascido -- é preciso submeter a mãe a exames de sorologia. Esse outro tipo de exame, que avalia o sistema imune do paciente -- ainda não estão disponíveis na rede pública. A rede privada de diagnósticos já faz o exame, mas só agora começa a ter demanda. Ainda não é um exame prático e rápido, porém, porque laboratórios privados estão enviando exames ao exterior para confirmação.

O ministério afirma que está distribuindo 500 mil kits de testes por PCR para ampliar a capacidade de diagnóstico do zika, mas não fala ainda sobre implementação do exame por sorologia.

Com relação a casos de morte associados ao zika já foram notificados 68 casos, por malformação congênita após o parto ou durante a gestação (aborto espontâneo), diz o ministério. Destescasos, 12 foram confirmados para a relação com infecção congênita, todos na região Nordeste, sendo 10 no Rio Grande do Norte, um no Ceará e um no Piauí. Continuam em investigação 51 mortes e outras cinco já foram descartadas.

Fonte: Do G1, em São Paulo - Foto: Ilustrativa

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização