Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Sonho olímpico incentivou atleta após morte do namorado

Sonho olímpico incentivou atleta após morte do namorado

Queralt Castellet, espanhola do snowboard



Queralt Castellet, espanhola de 26 anos especialista em snowboard, persegue um sonho há mais de uma década: conquistar uma medalha nas Olimpíadas de Inverno. Ela já disputou três edições, mas não conseguiu chegar ao pódio. É exatamente a mistura de frustração e desejo que agora ajuda a esportista a se reerguer do maior drama da sua vida: neste ano, seu namorado e treinador morreu vítima de um tumor cerebral.

Parceiro da espanhola, Ben Jolly tinha só 29 anos quando morreu, em abril. Descobriu o tumor no fim de 2014 e teve pouco tempo para lutar contra a doença. Em um mês, segundo ela, a piora no quadro foi muito grande. "A verdade é que até agora não compreendi tudo que aconteceu. Fiquei seis meses longe do esporte, totalmente desconectada, porque não conseguia pensar no que fazer", contou Queralt ao As.

Ben Jolly tornou-se primeiro treinador da espanhola e só depois a relação evoluiu para um namoro. Foi por ideia dele que Queralt passou a morar seis meses na Nova Zelândia e seis meses nos Estados Unidos para treinar e aprimorar sua técnica.

O trabalho estava dando resultado. Em janeiro deste ano, ela foi medalha de prata no Mundial da Áustria, algo inédito na história da modalidade na Espanha. Logo depois, foi prata na Universíade de Inverno. Tudo isso apenas dois meses antes do pior momento de sua vida.

"Depois de seis meses refletindo, em algum momento senti vontade novamente de subir em uma prancha e a sensação foi positiva. Uns dias depois vi que foi o esporte que me trouxe até aqui e devo tudo a ele. O legado que Ben deixou para mim é que posso ser ainda melhor", disse Queralt.

A espanhola esteve nas últimas três edições das Olimpíadas de Inverno, entre 2006 e 2014. Em 2010, classificou-se à final com a terceira melhor pontuação, mas uma lesão antes da decisão a tirou da luta por medalha. Agora morando na Suíça, ela só pensa no pódio nos Jogos de 2018. E em uma homenagem. "Espero olhar para o céu do lugar mais alto do pódio e dedicar a Ben meus triunfos, pois saberei que são dele também".

Fonte: Do UOL, em São Paulo - Foto: Reprodução/Instagram

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização