Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Prévia da inflação é a maior para o mês desde 2002; em 1 ano, vai a 10,71%

Prévia da inflação é a maior para o mês desde 2002; em 1 ano, vai a 10,71%



O IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor - Amplo 15), considerado uma prévia da inflação oficial (IPCA), ficou em 1,18% entre o final de novembro e o começo de dezembro. 

É a maior alta de preços medida pela IPCA-15 para meses de dezembro desde 2002 (3,05%).

O valor representa uma aceleração em relação ao mês anterior, quando o indicador havia registrado alta de 0,85% nos preços. Em dezembro de 2014, o IPCA-15 havia sido de 0,79%%.

No acumulado de 12 meses, a inflação fica em 10,71%. A alta acumulada no período foi a mais elevada desde novembro de 2003 (12,69%). 

O objetivo do governo é manter a alta dos preços em 4,5% ao ano, mas há uma tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos, ou seja, a inflação pode variar entre 2,5% e 6,5%.

Os dados foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (18).

Alimentos e combustíveis

O grupo alimentação e bebidas foi o que mais pressionou o índice, com alta de 2,02%. Os produtos que mais subiram no período pesquisado foram a cebola (26,28%), a batata (18,13%) e o tomate (17,6%).

No ano, os alimentos acumulam alta de 12,16%.

Outro item que puxou a inflação para cima foi o de transportes (1,76%), principalmente devido à alta no preço dos combustíveis. O etanol subiu 7,14%, e a gasolina, 2,69%.

Metodologia

O indicador refere-se às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia.

A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

Fonte: Do UOL, em São Paulo com Reuters - Foto: ilustrativa
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização