Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » PM acusado de atirar em médica deve ser ouvido em audiência

PM acusado de atirar em médica deve ser ouvido em audiência

Médica ficou cinco dias internada após ser baleada durante o trabalho (Foto: Reprodução / TVCA)


O policial militar Lourival de Oliveira, de 47 anos, acusado de atirar contra a médica Valéria Lemelle Xavier, de 50, deve ser ouvido em uma audiência de instrução e julgamento, marcada para as 13h [horário de Mato Grosso] desta quinta-feira (17), no fórum de Guarantã do Norte, a 721 km de Cuiabá.

De acordo com o Ministério Público do Estado (MPE), a tentativa de homicídio ocorreu no dia 7 de setembro de 2012, na Unidade de Saúde da Família (PSF), do bairro Santa Maria, em Guarantã do Norte. Lourival teria atirado em Valéria depois que ela se recusou a entregar um atestado.

O advogado do policial, Pedro Henrique Gonçalves, declarou que a defesa não nega o que ocorreu, mas tentará mostrar à Justiça os motivos que levaram Lourival a ter agido daquela forma. O G1 não conseguiu localizar a médica para comentar o assunto. Além do policial, outras testemunhas devem ser ouvidas pela Justiça. A audiência deve ser conduzida pelo juiz Diego Hartmann.

Segundo as investigações da época, o policial já estava de licença médica e procurou a unidade para pedir um atestado com informações do CID (Classificação Internacional de Doença) que o manteria afastado da sua função.

Segundo Valéria, o policial chegou ao local e pediu um atestado, no entanto, não tinha exames suficientes e, por isso, a médica se recusou a fazer o documento. O PM teria se irritado com a situação e queria que a médica fosse removida da unidade.

Depois de ser ameaçada, Valéria ligou para a polícia. Enquanto a médica fazia a ligação, o PM sacou a arma e atirou no tórax da vítima. Valéria sobreviveu depois de ficar cinco dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A médica morava no Rio de Janeiro e disse que saiu da cidade para fugir da violência.

Em setembro deste ano, a Corregedoria da Polícia Militar publicou, no Diário Oficial do Estado (DOE), a demissão do policial.

Fonte: Denise Soares Do G1 MT

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização