Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Índios cobram pedágio de até R$ 100 em rodovia de MT

Índios cobram pedágio de até R$ 100 em rodovia de MT

Índios da etnia Enawenê-nawê foram flagrados fazendo a cobrança de pedágio na BR-174, região rodeada de duas terras indígenas, entre Juína, a 737 km de Cuiabá, e Rondônia. As imagens da TV Centro América mostram o momento em que um índio aborda uma equipe de reportagem, em um dos pontos de pedágio, e cobra R$ 50. O mesmo valor foi cobrado quando a equipe retornou para Juína e passou pelo trajeto onde já havia pago pelo pedágio.

Os índios pedem o pagamento de R$ 20 para motocicletas, R$ 50 para carros e caminhonetes e R$ 100 para ônibus e caminhões. O veículo da reportagem foi parado pelo indígena e a equipe gravou a cena. Um índio cumprimenta o motorista e anuncia o valor do pedágio.

Repórter- Quando paga?
Índio- Cinquenta.

Vídeo mostra índios cobrando pedágio de até R$ 100 em Juína (MT) (Foto: Reprodução/TVCA)


Após fazer o pagamento, a equipe recebe um recibo. O documento tem endereço, nome da aldeia e até telefones de contato. Com esse recibo é possível passar pelos outros dois trechos de cobrança sem ter que entregar dinheiro. No entanto, quando a equipe retornar, terá que pagar novamente o valor de R$ 50.
Os motoristas de caminhões e demais veículos que precisam fazer esse trajeto preferem seguir por outros caminhos e chegam a até aumentar a distância da viagem por conta disso.

“É muito caro, é abusivo. Hoje está difícil, ainda mais nessas estradas, motorista só sofre e ninguém vê a gente. Não tem ninguém por nós”, lamentou o caminhoneiro Tiago Amorim.

Recibo de pedágio de indígenas em Mato Grosso (Foto: Luiz Gonzaga Neto/TVCA)


Mortes

A região onde os índios fazem o pedágio foi a mesma onde dois amigos, de 24 e 25 anos, foram sequestrados e mortos pelos Enawenê-nawê. Os amigos Genes Moreira dos Santos Júnior, de 24 anos, e Marciano Cardoso Mendes, de 25, foram mortos entre quarta-feira (9) e sábado (12) após terem sido sequestrados por índios da etnia Enawenê-nawê.

Irene, irmã de Genes, diz que não se conforma com a morte do irmão (Foto: Reprodução/TVCA)


Os dois foram levados para a aldeia após uma desavença com os índios que cobravam pedágio na estrada, segundo acreditam as famílias das vítimas.

Aos três dias de desaparecimento, os corpos dos amigos foram entregues à Polícia Civil e à PF por índios Enawenê-nawê. As vítimas iriam para Rondônia para comprar roupas e revender em Mato Grosso.

A família e os amigos dizem que Genes foi morto a tiros e Marciano foi torturado pelos indígenas.

A irmã da Genes, Irene dos Santos, revela que o irmão nunca apresentou medo dos índios, já que com frequência passava pela rodovia. “Ele nunca revelou medo. Ele vinha de lá para cá, os próprios indígenas compravam cobertor, roupas e até mesmo lanterna. [Sinto] ódio e revolta, só passa o que não pode pela minha cabeça. Nunca irei me conformar da forma brutal e cruel que ele foi morto”, declarou.

Genes Moreira dos Santos Júnior (à esquerda) e Marciano Cardoso Mendes (à direita) (Foto: Arquivo pessoal)


A Fundação Nacional do Índio (Funai), em Juína, está fechada há mais de uma semana.Segundo funcionários da unidade, como retaliação às mortes, moradores depredaram a sede com tiros e atiraram pedras. Por conta do fechamento, os servidores são forçados a trabalharem em casa. A Funai em Brasília não se manifestou ainda sobre o pedágio e os assassinatos dos moradores.

A Polícia Federal apura a morte e os demais acontecimentos na cidade, no entanto, decretou sigilo nas investigações. O delegado do caso, Hércules Ferreira Sodré, diz que identificou três suspeitos de envolvimento com o assassinato.

Fonte: Do G1 MT

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização