Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » 'Essa estrada entra em área indígena', diz líder Enawenê-nawê sobre pedágio

'Essa estrada entra em área indígena', diz líder Enawenê-nawê sobre pedágio

Os índios da etnia Enawenê-Nawê, que há aproximadamente um mês têm cobrado pedágio de todo tipo de veículo que passar pela BR-174, alegam que a cobrança é feita no trecho entreJuína (cidade a 737 km de Cuiabá) e Vilhena, em Rondônia, porque a estrada federal passa por dentro da terra indígena ocupada por eles, com mais de 742 mil hectares.

Entre Juína e o estado de Rondônia, a BR-174 tem 120 quilômetros de extensão sem pavimentação, passando pela terra indígena Enawenê-nawê. É neste trecho que motoristas têm se deparado com um bloqueio (feito por uma corrente atravessando a pista), ponto no qual os índios da aldeia Halataikiwa cobram o pedágio.

BR-174 corta terra indígena; motoristas pagam até R$ 100 para seguir viagem (Foto: Reprodução/TVCA)


Os índios pedem o pagamento de R$ 20 para motocicletas, R$ 50 para carros e caminhonetes e R$ 100 para ônibus e caminhões. Mediante pagamento, os índios entregam um recibo que contém endereço, nome da aldeia e até telefones de contato. Com esse papel é possível passar pelos outros dois trechos de cobrança sem ter que entregar dinheiro. No entanto, ao retornar, é necessário pagar novamente o valor de R$ 50.

Neste local, no último dia 9 os amigos Genes Moreira dos Santos Júnior, de 24 anos, e Marciano Cardoso Mendes, de 25, foram sequestrados por índios que mantinham o bloqueio depois de um desentendimento devido ao pedágio. Seus corpos foram entregues somente três dias depois e a Polícia Federal (PF) investiga três índios suspeitos de terem cometido as execuções. Os índios da aldeia local também são investigados por receptação de caminhonetes roubadas em Cuiabá; segundo a Polícia Civil, eles usaram dinheiro em espécie para comprar pelo menos quatro caminhonetes de uma quadrilha.

Fotografia divulgada pela Polícia Civil mostra índio da etnia Enawenê-nawê com blocos de cédulas: segundo investigações, caminhonetes foram pagas com dinheiro em espécie. (Foto: Polícia Civil/Divulgação)


A cobrança do pedágio tem revoltado motoristas que trafegam pela região noroeste de Mato Grosso. Na última semana, a reportagem da TV Centro América percorreu o trecho da rodovia BR-174 para mostrar a prática dos índios. Ao saber da presença da reportagem, um líder dos Enawenê-nawê, que não se identificou, procurou a Fundação Nacional do Índio (Funai) para que intermediasse uma conversa com a equipe de reportagem. Por telefone, ele defendeu a cobrança do pedágio.

“Nós, Enawenê-nawê, ficamos pacíficos com os brancos. Ninguém mexe com os brancos. Essa estrada entra em área nossa, área indígena. Entra em área indígena sem licenciamento. Por isso, nós cobramos”, afirmou o líder.

Procurada, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que o trecho do bloqueio é uma ramificação sem pavimentação da BR-174 que mantém o nome da rodovia, mas que não dispõe de posto para fiscalização. Além disso, a PRF informou que não dispõe de reforços para enviar ao local do bloqueio indígena.

A reportagem também procurou a PF para tratar do bloqueio, mas não conseguiu contato com a assessoria de imprensa. A assessoria de imprensa da Funai também não atendeu aos telefonemas da reportagem.

Fonte: Do G1 MT

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização