Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Emprego na indústria cai 7,2%, maior recuo da série histórica

Emprego na indústria cai 7,2%, maior recuo da série histórica



O emprego na indústria caiu pelo 10º mês seguido. Em outubro, o recuo foi de 0,7% na comparação com setembro. Na comparação com igual mês do ano anterior, o emprego industrial mostrou queda de 7,2%, a mais intensa da série histórica, que começou em dezembro de 2000. Com esse resultado, o setor acumula queda de 5,9% no ano e de 5,6% em 12 meses. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Setores

Na comparação com outubro de 2014, o emprego caiu nos 18 ramos pesquisados pelo IBGE, com destaque para meios de transporte (-13,4%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-15,2%) e máquinas e equipamentos (10,1%).

No acumulado dos 10 meses do ano, a taxa também ficou negativa nos 18 setores, com destaque para meios de transporte (-10,9%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-13,5%) e produtos de metal (-10,6%).

Horas pagas

Seguindo os outros indicadores, o de número de horas pagas aos trabalhadores da indústria também recuou. A baixa foi de 0,9% na comparação com setembro, a 8ª queda seguida. Já na comparação com outubro de 2014, o número de horas pagas diminuiu 8,1%, a 29ª taxa negativa consecutiva no tipo de comparação e a mais intensa desde o início da série histórica.

No ano, as horas pagas registram queda de 6,5% e, em 12 meses, de 6,4% - resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica.

No início do mês, o IBGE disse que a produção da indústria nacional havia caído pelo 5º mês seguido. Em outubro na comparação com setembro, o recuo foi de 0,7%, o maior para o mês desde 2011. Já em relação a outubro do ano passado, a retração foi ainda maior, de 11,2%, a maior desde abril de 2009, quando chegou a 14,1%.

Folha de pagamento

O valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria recuou 0,8% na comparação com setembro, quarto resultado negativo consecutivo, acumulando nesse período redução de 5,3%.

"No índice desse mês, verifica-se a influência negativa tanto da indústria de transformação (-1%), que permaneceu apontando taxas negativas pelo 10º mês seguido, como do setor extrativo (-2,4%)", informa o IBGE.

Na comparação com outubro de 2014, o valor da folha de pagamento real mostrou queda de 10,3%, 17ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação e a mais intensa desde o inicio da série histórica, com resultados negativos nos 18 ramos investigados.

No índice acumulado nos 10 meses de 2015, o valor da folha de pagamento real assinalou redução de 7,1%, também com taxas negativas nas 18 atividades pesquisadas.

No índice acumulado dos últimos 12 meses, a redução foi de 6,6%, resultado negativo mais intenso desde o início da série histórica para o período analisado.

Fonte: Marta Cavallini Do G1, em São Paulo - Foto: Ilustrativa

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização