Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Desembargadora nega novo pedido de liberdade de ex-governador Silval Barbosa

Desembargadora nega novo pedido de liberdade de ex-governador Silval Barbosa

Silval Barbosa (PMDB) sofreu mais uma derrota na Justiça. (Foto: Renê Dióz / G1)

 
O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) teve mais um pedido de liberdade negado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), no início da tarde desta terça-feira (22). A decisão, em caráter liminar, é da desembargadora Serly Marcondes. Preso no dia 17 de setembro durante a operação “Sodoma”, da Polícia Civil, o ex-governador é réu por crimes relacionados a fraudes na concessão de incentivos fiscais do estado e se encontra detido no Centro de Custódia deCuiabá.

Ao G1, a defesa de Silval Barbosa afirmou que vai buscar todas as medidas possíveis para tentar restituir a liberdade do ex-governador. Valber Mello, um dos advogados de Silval, afirmou que “todas as possibilidades de análise de mérito dos pedidos feitos pela defesa continuam intactas” e que, agora, a defesa irá aguardar a decisão do mérito do pedido.

O ex-governador já teve pedidos liminares de soltura negados em todas as instâncias e um habeas corpus (HC) indeferido pelo TJ. Segundo Mello, a defesa ainda aguarda o julgamento do mérito de dois habeas corpus, sendo um no Tribunal de Justiça de Mato Grosso e outro no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Em caso de negativa no STJ, os advogados devem recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A operação

Silval Barbosa foi um dos alvos da operação Sodoma, deflagrada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público Estadual (MPE) contra um grupo responsável por fraudar a concessão de benefícios do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Prodeic) a um empresário de Cuiabá.

O ex-governador, segundo a denúncia do MPE, chegou até a assinar um decreto fraudulento para sustentar o esquema às vésperas de deixar o cargo, em dezembro de 2014. Hoje, ele é acusado por crimes de formação de organização criminosa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Fonte: Lislaine dos Anjos Do G1 MT

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização