Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Brazilian Storm faz EUA e Austrália terem novo rival de respeito no surfe

Brazilian Storm faz EUA e Austrália terem novo rival de respeito no surfe

Kelly Slater posta homengem a Mineirinho no Facebook (Foto: Reprodução / Facebook)


Desde o começo da ASP (hoje WSL), Austrália e Estados Unidos sempre mediram forças para ver quem realmente mandava no surfe mundial. Não fosse o já falecido havaiano Andy Irons, tricampeão entre 2002 e 2004, os dois países nunca teriam ficado dois anos seguidos sem ao menos um título entre os dois. (Vale lembrar que o Havaí é considerado uma nação à parte no mundo do surfe).

Mas com o bicampeonato brasileiro conquistado nesta quinta-feira (17) por Adriano de Souza, o Mineirinho, o Brasil colocou um ponto final na sequência hegemônica dos australianos e americanos.

Desde que a Association Professional Surfers (ASP) passou a organizar o Mundial, a partir de 1983, Austrália e Estados Unidos sempre fizeram um campeonato à parte. Antes da chegada de Andy Irons, foram raros os torneios que não tiveram um destes países como campeão: Martin Potter (Reino Unido), em 1989, Derek Ho (Havaí), em 1993, e Sunny Garcia (Havaí), em 2000.

Os Estados Unidos começaram a disparar na frente depois que Kelly Slater entrou em cena. Campeão de 11 Mundiais, ele ajudou o seu país a chegar a 14 títulos no surfe. A Austrália soma dez, sendo Mick Fanning o maior vencedor, com três. Isso sem contar a época da IPS (International Professional Surfers), entidade que organizou o Mundial entre 1976 e 1982.

Na era moderna do circuito mundial, os outros países eram meros coadjuvantes, até que o havaiano Andy Irons chegou para vencer três títulos seguidos. Porém, após a sua morte, em 2010, Austrália e Estados Unidos voltaram a dominar os campeonatos. Kelly venceu em 2010 e 2011, enquanto Joel Parkinson (AUS) levou a melhor em 2012 e Mick Fanning garantiu o caneco em 2013.

Foi então que surgiu a "Brazilian Storm", termo cunhado para descrever a geração de jovens e talentosos surfistas brasileiro que invadiu o circuito mundial. E, em 2014, Gabriel Medina, 21 anos, deu ao Brasil o primeiro título de surfe mundial (ficou em terceiro este ano). Agora, foi a vez de Mineirinho, 28, levantar o caneco, levando o Brasil ao segundo título seguido. Filipe Toledo, o Filipinho, 20 anos, ficou em quarto.

E este não foi o único tabu quebrado pelos brasileiros nesta etapa de Pipeline. Pelo contrário. Ao longo da etapa no Havaí, outras conquistas inéditas foram colocadas na conta do país verde e amarelo. Entre elas, o próprio título de Pipe Masters, vencido por Mineirinho. Já Gabriel Medina ficou com o cobiçado e lendário Triple Crown, série de três eventos que acontece no Havaí.

Fonte: Do UOL, em São Paulo - Foto: Reprodução

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização