Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Má gestão dos recursos públicos

Má gestão dos recursos públicos




O Governo Federal brada em alto e bom som, que o grande problema do país é a falta de recursos para financiar os programas sociais: bolsa família, minha casa minha vida, entre outros e de infraestrutura básica: saúde, educação, transporte, segurança, logística, etc., e para transpor essas dificuldades precisa criar novas formas de arrecadação, pretendendo inclusive, ressuscitar a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, a famigerada CPMF.

Mas, creio que o transtorno brasileiro não se resume na carência de dinheiro, e sim na falta de Administração, na inaptidão dos gestores públicos e nos processos e métodos de trabalhos anacrônicos, que dão oportunidade de perpetrar crimes contra a administração pública: corrupção ativa e passiva, peculato, concussão, entre outros. 

O Brasil deverá arrecadar neste ano cerca de R$ 1,8 trilhão de impostos – até às 9h30min do dia 11 de novembro de 2015, o sítio www.impostometro.com.br acusava a arrecadação de R$ 1,736 trilhão.

O mesmo sítio considera que o brasileiro no ano de 2015 deverá trabalhar cinco meses só para pagar tributos – impostos, taxas e contribuições – exigidos pelos governos federal, estadual e municipal. De acordo com o portal em referência, “a tributação incidente sobre os rendimentos (salários, honorários, etc.) é formada, principalmente, pelo Imposto de Renda Pessoa Física, pela contribuição previdenciária (INSS, previdências oficiais) e pelas contribuições Sindicais”.

Além disso, indica o impostômetro, o cidadão paga a tributação sobre o consumo (PIS, COFINS, ICMS, IPI, ISS, etc.) – já incluso nos preços dos produtos e serviços – e também a tributação sobre o patrimônio (IPTU, IPVA, ITCMD, ITBI, ITR), e arca também com outras tributações, como taxas (limpeza pública, coleta de lixo, emissão de documentos) e contribuições de melhoria, que pode vir a ser cobrada para custear obras públicas de sua cidade.

Agora eu me pergunto: Onde vai parar tanto dinheiro? Se o Brasil está entre os países que oferecem os piores serviços públicos em proporção a carga tributária? Se o sistema brasileiro de saúde pública não consegue oferecer aos cidadãos um atendimento digno? Se o transporte público é sempre precário e oneroso? Se a criminalidade cresce desenfreadamente? Se o sistema educacional brasileiro produz cerca de 13 milhões de analfabetos funcionais?

Este cenário é preocupante, principalmente se considerarmos ainda as crises desencadeadas por escândalos financeiros divulgados pela imprensa com nomes instigantes: mensalões, sanguessugas, petróleo, máfia dos fiscais, anões do orçamento, vampiros da saúde. E, sabemos que por trás de tanta corrupção e de tamanha ineficiência em todas as áreas de atendimento ao cidadão, o problema brasileiro pode ser assim sintetizado: má gestão dos recursos públicos.

Não posso assistir calado a tanto desrespeito das autoridades brasileiras – peço vênia a Drª. Mirna Cavalcanti de Albuquerque Pinto da Cunha, reconhecida jurista, especializada em Direitos Administrativo, Constitucional, Administrativo e Previdenciário, para transcrever sua reflexão sobre o assunto deste artigo: “O direito à indignação ante fatos que são contra os Princípios da Ética, deve ser exercido sempre e quando tal ocorrer, para contribuirmos com nosso quinhão, no sentido de tentar melhorar este mundo. Jamais ficarmos quedos. Que nossa voz seja ouvida e nossos direitos respeitados”.

ALAÉRCIO SOARES MARTINS é administrador, pós-graduado em Gerência de Cidades, Conselheiro Federal-MT junto ao CFA, mineiro e com os títulos de Cidadão Mato-Grossense e Cuiabano.
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização