Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Lama chega ao Espírito Santo e deve atingir área extensa no litoral

Lama chega ao Espírito Santo e deve atingir área extensa no litoral

Obra é realizada no rio Doce para garantir o abastecimento de água nos municípios que devem ser atingidos pela lama oriunda do desaste ambiental em MG


A enxurrada de lama formada após o rompimento de duas barragens da mineradora Samarco, em Mariana (MG), na quinta-feira (5), avançou pelo leito do rio Doce e chegou ao Espírito Santo na madrugada desta terça-feira (10). A primeira cidade afetada é Baixo Guandu, na divisa com Minas Gerais, de acordo com cálculos do CPRM (Serviço Geológico do Brasil). Por conta da possibilidade de contaminação, o abastecimento de água foi paralisado em cidades do noroeste capixaba, e a interrupção deve durar até o fim desta semana.

Segundo o biólogo André Ruschi, diretor da escola Estação Biologia Marinha Augusto Ruschi, em Aracruz (ES), a onda de lama que desce pelo rio Doce atingirá, no total, uma área de cerca de 10 mil quilômetros quadrados no litoral capixaba - área equivalente a mais de seis vezes o tamanho da cidade de São Paulo.

Haverá impacto, afirmou o especialista, em três unidades de conservação marinhas: Comboios, Área de Proteção Ambiental Costa das Algas e Refúgio da Vida Silvestre de Santa Cruz, que somam aproximadamente 200 mil hectares no mar.

O Iema (Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos) intimou a mineradora Samarco, responsável pela operação nas barragens que se romperam, a tomar providências quanto aos danos ambientais provocados pela enxurrada de lama. O material apresenta rejeitos usados no processo de mineração e pode conter altos níveis de alumínio, ferro, manganês, entre outros elementos. Técnicos realizam análises para verificar a possibilidade de contaminação.

"A determinação do instituto é para que a empresa promova todo o apoio necessário aos municípios e aos cidadãos capixabas que forem atingidos pela onda de lama, com ações que minimizem os impactos ambientais decorrentes da impossibilidade do tratamento de água nos locais afetados pelos rejeitos", informou a Iema.

O instituto é responsável por emitir licenças ambientais região litorânea do Espírito Santo. Entre as medidas exigidas, estão o monitoramento da qualidade da água do rio Doce e das águas marinhas, além de distribuir água potável para consumo humano e animal. A Samarco foi contatada, mas não emitiu comunicado sobre o assunto até a publicação deste texto.

Socorrista procura por vítimas, próximo a uma carcaça de uma vaca morta em Bento Rodrigues, distrito de Mariana (MG), após duas barragens romperem na última quinta-feira (5). Foto: Felipe Dana/AP

Governo Federal oferece ajuda

O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, conversou com o secretário estadual de Saneamento, Habitação e Desenvolvimento Urbano, João Coser, e colocou o governo federal à disposição do Espírito Santo para enfrentar a chegada da enxurrada de lama. Occhi se encontrará nesta terça (10) com o governador Paulo Hartung (PMDB) para falar discutir medidas cabíveis.

A Defesa Civil estadual está trabalhando para alertar banhistas e moradores da calha do Rio Doce que ainda não foram informados sobre a chegada da lama. "O governo está presente com sua equipe para toda a infraestrutura necessária para a passagem da onda de lama. Todo nosso esforço é para que a onda de lama passe com o menor impacto possível para a população dos três municípios atingidos no Espírito Santo", disse Coser.

O Estado preparou uma ação com empresas fornecedoras de energia elétrica e água, empresas privadas, diferentes órgãos estaduais e municipais das cidades de Baixo Guandu, Colatina e Linhares, principais localidades que devem sofrer a invasão de lama. Segundo o Iema, 60 carros-pipa foram disponibilizados para garantir o abastecimento de água. (Com Agência Brasil)

Fonte: Do UOL, no Rio  (Com Agência Brasil) - Foto: Divulgação/Prefeitura de Linhares
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização