Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Foragido da Interpol é condenado por matar e estuprar criança

Foragido da Interpol é condenado por matar e estuprar criança

Aléxia foi assassinada com seis anos, em 2001 (Foto: Arquivo pessoal)


Um empresário de 59 anos, acusado de ter estuprado e matado Aléxia Carolina Lodi de Aragão, de apenas seis anos, foi condenado nesta terça-feira (10) pela Justiça de Mato Grosso a cumprir 31 anos de prisão pelo crime. De acordo com a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), o empresário Santo Martinello estuprou a criança na chácara que a vítima morava com a mãe e o irmão, na cidade de Lucas do Rio Verde, a 360 km de Cuiabá. O crime ocorreu em junho de 2001.

O G1 ligou para o advogado de Martinello, no entanto, ele não atendeu às ligações. O empresário, foragido há mais de 10 anos, é procurado pela Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol).

Segundo o MPE, depois de violentar sexualmente a criança, o empresário a matou sufocando, além de golpeá-la no pescoço usando uma faca de cozinha. A família alugava a chácara que pertencia ao empresário.

Para o juiz Hugo José Freitas da Silva, da Quarta Vara, Martinello foi “levado por seus instintos sexuais, revelando uma brutalidade fora do comum, demonstrando crueldade, frieza e absoluta ausência de sentimento humanitário”, disse o magistrado durante a sentença.

Santo Martinello, procurado pela Interpol (Foto: Interpol)


Durante a audiência foram levantadas provas e exames de laboratório que confirmaram que o empresário é a pessoa que estuprou e matou a criança. O magistrado estabeleceu a pena de 31 anos e cinco meses de prisão em regime fechado. Ainda, determinou que o mandado de prisão do empresário seja renovado, notificando a Polícia Federal, Polícia Civil, Polícia Militar e Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).

Família

A tia de Aléxia, Edina Lodi, considera o crime como 'cruel' e 'bárbaro'. Se estivesse viva atualmente, Aléxia teria 20 anos. Ela diz que a irmã —mãe de Aléxia— ainda mora em Lucas do Rio Verde e tenta seguir a vida após a morte da filha. O acusado era conhecido da família e tinha o respeito dos familiares de Aléxia. Hoje a família cobra a prisão do empresário.

Edina lembra que a defesa do empresário chegou a supor que Aléxia teria sido morta pelo próprio irmão (na época com 12 anos) ou por outro rapaz que mora na cidade, gerando revolta entre os familiares. A família da vítima trabalhava para Martinello.

“A condenação dele foi merecida, mas hoje não adianta. É como se eu ganhasse na loteria e eu não tivesse o bilhete na mão, não pudesse usufruir [do prêmio]. Ele foi condenado, mas é esquisito você condenar uma pessoa que não está presente [no julgamento]”, criticou a tia.

A tia da criança diz que o empresário, na época do crime, ficou preso por apenas seis meses, e foi solto pela 'porta da frente da delegacia', após ter a prisão revogada. “O sentimento da minha irmã é que tiramos essa carga. Ontem nós enterramos Aléxia definitivamente. Foi um estrago muito grande na minha família. Mas você nunca sabe, existem outros 'Santos Martinellos' lá fora”, declarou a tia de Aléxia.

Fonte: Denise Soares Do G1 MT

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização