Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » TRT determina que bancos atendam advogados durante greve

TRT determina que bancos atendam advogados durante greve

Bancários levam bananas em ato público em Cuiabá (Foto: Assessoria/SEEB-MT)


Faixa foi colocada em frente a uma agência bancária de Cuiabá (Foto: Nathalia Lorentz/ G1)


O Tribunal Regional Eleitoral (TRT-MT) acatou por meio de liminar o pedido da diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT) para que seja realizado atendimento bancário para cumprimento dos mandados judiciais de pagamento e liberação de valores depositados em contas judiciais aos advogados e jurisdicionados.

A decisão da juíza Bianca Cabral Doricci desta terça-feira (20) determina ao Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários e do Ramo Financeiro em Mato Grosso (SEEB-MT) que as agências e postos de atendimento bancário mantenham um número de trabalhadores suficientes para atendimento das ordens judiciais, como alvarás, guias de pagamento ou liberação de crédito, para advogados e jurisdicionados.

O atendimento exigido pela liminar seria nas duas últimas horas do horário de atendimento bancário regular em todo o estado.

Segundo a juíza, o objetivo é diminuir os efeitos da greve determinando a prorrogação dos prazos destinados aos depósitos recursais. Com isso, a intenção é viabilizar a interposição de recursos, sem descuidar do exercício de greve.

“A inércia bancária e falta de atendimento compromete a eficaz distribuição da Justiça, ao impedir a concretização da decisão”, afirma na decisão.

O diretor do sindicato, Eduardo Alencar, informou que desde o início da greve dos bancários, que nesta quarta-feira (21) completa 15 dias, a categoria já vem mantendo nas agências o percentual mínimo de 30% dos funcionários trabalhando.

De acordo com ele, as prioridades, a decisão de quem vai ser atendido ou quais serviços serão realizados nas agências caberão aos gerentes dos bancos e não ao sindicato. “A decisão da juíza nada muda na greve dos bancários. Estamos preparando um pedido de reconsideração dessa decisão, porque tem alguns equívocos”, comenta.

Segundo ele, o documento pede que a decisão seja cumprida em todo o estado, mas o SEEB não representa todas as agências bancárias, como de Rondonópolis. Além disso, o diretor considera a decisão discriminatória, já que determina o atendimento de um público específico, os advogados e jurisdicionados.

“A decisão determina que as agências abram por duas horas apenas. Não vamos ter condições de atender toda a população só nesse período. Com isso está discriminando as outras pessoas porque as outras também precisam”, afirma

Alencar ressalta ainda que há uma certa indignação dos bancários em relação à ação da OAB. “Ofende diretamente o direito de greve, que é um direito constitucional que deveria ser interpretado e está acima do direito individual de qualquer advogado”, comenta.

Ato

Na manhã desta quarta, os bancários em greve fizeram um ato público em frente a uma agência bancária em Cuiabá para pressionar os bancos a apresentarem uma proposta para a categoria. Eles levaram bananas para o ato.

“Os banqueiros estão dando uma banana aos bancários e aos seus clientes, pois ao apresentarem propostas rebaixadas, achatam os salários dos trabalhadores e aumentam a exploração. Portanto, enquanto não apresentarem uma proposta que atenda as nossas reivindicações, a greve vai continuar”, frisou o presidente do SEEB/MT, José Guerra, conclamando a categoria para manter a firmeza na greve.

Reivindicações

Dentre as principais reivindicações da categoria estão: reajuste salarial de 16% (incluindo reposição da inflação mais 5,7% de aumento real); piso de R$3.299,66; vales alimentação, refeição, 13ª, cesta e auxílio-creche/babá de R$ 788 ao mês para cada (salário mínimo nacional); melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários.

Reivindicam ainda Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários; auxílio-educação para graduação e pós-graduação e prevenção contra assaltos e sequestros.

Fonte: Amanda Sampaio Do G1 MT
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização