Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Rombo estratosférico!

Rombo estratosférico!



O governo brasileiro, infelizmente teve suas contas reprovadas, pelo Tribunal de Contas da União (TCU), tendo como uma das medidas irregulares praticadas pelo governo, segundo o secretário do Tesouro Nacional, conhecido como “pedaladas fiscais”, pois havia R$ 50 bilhões em passivo com os bancos públicos no fechamento de 2014.

Destes valores devidos aos bancos, R$ 17 bilhões foram pagos pelo governo de janeiro a setembro de 2015; só que houve “atualização” dos valores, com incorporação dos juros incidentes nestas operações, além de novas obrigações neste ano, ainda assim, o valor que poderá ser abatido das metas fiscais permanecerá em R$ 50 bilhões, mesmo com o pagamento de R$ 17 bilhões das “pedaladas fiscais” do ano passado.

Eu não sou economista, portanto, vou usar um termo chulo para tentar explicar, essa artimanha utilizada pelo governo brasileiro. É como se nós, pessoas físicas, chegássemos a um agiota e emprestássemos uma quantia X em dinheiro, chegando o dia do pagamento, pagássemos apenas os juros, obviamente, o valor devido continuaria da mesma monta.

Nesse primeiro momento, mostramos apenas a ponta do iceberg, com as chamadas “pedaladas fiscais”.
Agora, vamos para a chamada revisão de meta fiscal, com o encaminhamento de proposta de alteração de meta fiscal de 2015, encaminhada esta semana pelo governo ao Congresso Nacional, que terá que ser aprovada pelo legislativo.

O governo mais uma vez, usou de manobras, para tentar equacionar um problema criando outro, o mesmo, revisou para baixo, a meta fiscal de 2015 para um déficit de R$ 51,8 bilhões, o que já será o maior rombo fiscal da história do Brasil.

Como se não bastasse isso, o governo poderá abater na meta mais de R$ 11 bilhões, aumentando desta forma o déficit para a ordem de R$ 62,87 bilhões, caso o leilão das hidrelétricas não aconteçam este ano, conforme o previsto, marcado para 25 e novembro.

Trocando em miúdos, vamos fazer agora, uma aritmética simples, pegando os R$ 50 bilhões das chamadas “pedaladas fiscais” somadas às revisões de metas fiscais da ordem de R$ 62,87 bilhões, que chegaremos à bagatela de R$ 112,8 bilhões, é mole ou quer mais.

Segundo, a chefe de ratings soberanos da América Latina da Fitch Ratings, Shelly Shetty, ela diz “A dificuldade fiscal e a crescente dívida do governo tem sido uma fonte de preocupação para todos nós, o que refletimos por meio do recente rebaixamento dos ratings do Brasil, em um degrau”.

Quero deixar bem claro aos críticos de plantão, tanto: os da direita, como os da esquerda; não estou querendo saber quem contraiu essa dívida astronômica, queremos saber, quem irá paga-lá. Por certo, a resposta é obvia, seremos nós, reles contribuintes que vivemos literalmente em petição de miséria, em função de desmandos políticos, praticados por pessoas inescrupulosas, com o propósito de manter-se no poder, venderam até, suas almas para o diabo.

Pare o mundo, quero descer!

Professor Licio Antonio Malheiros é geógrafo
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização