Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Pivô de polêmica de ranking diz que não absorveu a ideia de aposentadoria

Pivô de polêmica de ranking diz que não absorveu a ideia de aposentadoria

Elisângela, jogadora de volei 



Grandes nomes da seleção brasileira de vôlei levantaram a bandeira contra oranking adotado na Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) nesta sexta-feira (23), em defesa da jogadora Elisângela, atualmente no Osasco. A ex-jogadora da seleção, bronze nos Jogos Olímpicos de 2000, mostrou-se triste com a ideia de não poder atuar na Superliga pelo clube e, consequentemente, encerrar a carreira.

Aos 36 anos, Elisângela disputa o Campeonato Paulista pelo Osasco, que joga a final do torneio no domingo (25), contra o Sesi. Este pode ser a última partida da atleta, que admitiu ainda não ter processado direito a ideia da aposentadoria.

"Tenho contrato com o Osasco até o final do Paulista (domingo). Eu nem absorvi a ideia de me aposentar domingo. Será um dia especial. Eu não acordei ainda. Eu não sei como vou acordar amanhã", disse a atleta.

Se ficasse com Elisângela, o Osasco ultrapassaria os 43 pontos do ranqueamento de jogadoras, permitido pelo regulamento da Superliga.

A atleta explicou que ainda aguarda uma manifestação oficial da CBV, que, a princípio, orientou Elisângela a entrar em contato pessoalmente com os clubes para que eles rebaixassem o ranking dela. A situação, no entanto, não foi aceita por unanimidade.

"Eu mandei a carta para que os clubes abaixassem um ponto. O Praia Clube e o Pinheiros negaram. O Sesi nem se manifestou. Então, teoricamente, é não. A CBV tinha que ter compreensão e tomar uma decisão. O ranking tinha que acabar, ele é feito em março. De lá para cá acontece muita coisa", comentou.

"O clube não pensa no lado do atleta, não são acessíveis. Cada clube pensa em defender só o seu, ninguém vai brigar pela Jaque, por mim ou pela Erika, pela Sassá e ninguém vai defender a gente. As pessoas esquecem que o espetáculo somos nós, atletas, porque ganhamos títulos com a seleção. E é isso (ranqueamento) que decide o término de uma carreira. É justo? Tem que avaliar a carreira", criticou Elisângela.

Elisângela teria a possibilidade de jogar em outro clube, até mesmo fora do país, mas não cogita a possibilidade por estar encerrando sua carreira, aos 36 anos e com filho na escola. "Eu não penso nisso. Meu filho tem 10 anos, tem escola", completou.

Fonte: Karla Torralba e Leandro Carneiro Do UOL, em São Paulo - Foto: João Pires/Fotojump
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização