Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Operação da PF desarticula quadrilha que fraudava concursos públicos

Operação da PF desarticula quadrilha que fraudava concursos públicos

Criminosos usavam cartão de crédito falso para esconder celular; pontos eletrônicos e celulares também foram apreendidos durante operação em Alagoas (Foto: Divulgação/Ascom PF)


A Polícia Federal de Sorocaba (SP) deflagrou nesta quarta-feira (21) uma operação em cinco estados brasileiros com o objetivo de desarticular uma organização criminosa que fraudava concursos públicos no país. A quadrilha foi identificada após uma denúncia de irregularidades em um concurso do Tribunal Regional Federal (TRF) realizado em Sorocaba . A “Operação Afronta” cumpre mandados em cidades de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Alagoas e Rondônia.

Em Alagoas foram expedidos sete mandados de prisão e nove mandados de busca e apreensão. A PF não informou quantos mandados foram expedidos nos demais estados.

De acordo com a polícia, a fraude foi detectada pelo TRF da 3ª região em um concurso para cargos de analista judiciário e técnico judiciário. Os candidatos suspeitos tinham prestado a prova em Sorocaba.

Segundo a PF, as investigações apontaram que integrantes da quadrilha usavam uma microcâmera para fotografar o caderno de questões. Após o tempo mínimo de permanência na sala, eles saíam da sala e repassavam os resultados para os verdadeiros candidatos por meio de pontos eletrônicos de comunicação. Os aparelhos se conectavam com o celular dos envolvidos.

Ainda conforme informações da Polícia Federal, cada candidato desembolsava um valor de dez vezes o salário do cargo pretendido para conseguir as respostas da prova. Os investigadores usaram um sistema que apura fraudes em concursos para identificar os participantes da quadrilha. O programa da PF cruza respostas das provas para analisar o maior número de coincidências nas respostas e indicando se elas eram ou não esperadas.

Os envolvidos irão responder pelos crimes de organização criminosa e fraude em certames de interesse público. As penas, somadas, vão de quatro a 12 anos de prisão.

Fonte: Do G1 Sorocaba e Jundiaí

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização