Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » O presente que a segunda-feira traz

O presente que a segunda-feira traz




Era uma vez um funcionário de uma empresa que acordava todas as segundas-feiras de mau humor. Ele já começava a sentir a agonia no domingo à noite, quando ouvia a música do Fantástico. E ia dormir com aquela sensação de que o dia seguinte seria puxado.

E a noite já era ruim. Ele dormia tenso dos pés à cabeça. Tinha sonhos terríveis. Ou melhor, pesadelos. E acordava com os nervos à flor da pele.

Não tomava café da manhã direito, não dava bom dia para a esposa, despejava a filha na escola correndo para chegar logo no escritório. E quando chegava lá, sorria para o chefe.

Era aquele sorriso falso, mecânico. Político. Para ser quem ele não era. 

Aquele homem sofria internamente. Trabalhava de sol a sol e dizia que era para dar o melhor para a família. Mas a família não tinha seu melhor. Quem tinha seu melhor era seu chefe, que tinha sorrisos (mesmo falsos), tinha presença. Sua família convivia com um carrasco. Com um homem que chegava à noite de mau humor porque coisas tinham acontecido em seu trabalho. E ia dormir cansado. Sem nem perguntar como tinha sido o dia das pessoas pelas quais dizia trabalhar.

Ele acordava com um nó na garganta, sempre preocupado. E ia para o trabalho sofrendo antecipadamente. Só relaxava quando sentava diante do computador.

Sua família estava cada dia mais longe. Não o tinham, de fato. Nem suportavam seu mau humor e sua presença.

O chefe, que sabia das coisas, logo sacava que o funcionário era um puxa-saco. Mas dava lucro para a empresa, porque fazia tudo que ele queria, na hora que queria, mesmo sem gostar.

Então, passavam as semanas, os meses, os anos.

E assim, passava uma vida.

A vida de muitos que hoje estão lendo este texto, sem se darem conta do presente que a segunda-feira nos traz. Da oportunidade de rever tudo que se quer para a vida, para o dia, para a semana. E, se estiver num trabalho que não gosta, procure verificar internamente se é o trabalho que está ruim, ou você que está insuportável.

Na maioria das vezes, somos nós que criamos nossa realidade. Não damos limites para o chefe, mas colocamos travas no coração para não receber o abraço da nossa família.

Somos coniventes com uma série de coisas que não gostamos para manter as aparências. Somos políticos.

Entenda o dia de hoje como uma oportunidade de se reinventar, de perceber como está agindo com as pessoas que te amam e te rodeiam. De desfrutar momentos que devem ser desfrutados, porque eles passam. E a única coisa que não podemos parar é o tempo. Este, sim, deve ser valorizado.

O tempo com a família, o tempo com quem amamos. O tempo com nós mesmos.

E se é tempo de mudanças, que saibamos agir com sabedoria para que ela chegue de uma maneira suave para nós.

Essa é a dica para que você comece sua segunda-feira. 

Mauricio Patrocinio é administrador de empresas, palestrante, consultor e autor do livro Por que as pessoas não são felizes?




Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização