Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » Mais liberdade para as mães chinesas

Mais liberdade para as mães chinesas



A China anunciou ontem a revogação da política de filho único, segundo a qual cada casal tinha direito a ter apenas um filho. Pela nova lei, todo casal agora poderá ter dois filhos. Trata-se de uma extensão da autorização já dada em 2013 aos casais em que um dos cônjuges não tem irmãos. Na época, preocupados com o custo de criar filhos, muitos casais não deram atenção à mudança. 

Continua a vigorar no país a prática de ter apenas um filho, o “pequeno imperador” que reina em tantos lares chineses, com efeitos deletérios para a cultura e os hábitos locais. A prática de abortos forçados com técnicas primitivas também é comum – e foi dramatizada pelo escritor e Prêmio Nobel de Literatura Mo Yan em seu romance “Rãs”. A política de filho único é uma das mais dolorosas chagas da sociedade chinesa.

Não foi isso, porém, o que levou à mudança. Com uma população à beira de 1,4 bilhão de pessoas, o governo da China passou a se preocupar com seu efeito no crescimento econômico. A expansão demográfica chinesa, de 1,7 filho por mulher em 2010, não atinge nem a taxa de reposição populacional, estimada pela ONU em 2,1 filhos. O impacto disso ao longo do tempo será a redução da população economicamente ativa – e consequente queda no Produto Interno Bruto (PIB).

Quando começou a ser desenvolvida a política de controle da natalidade na China, nos anos 1960, a taxa de fecundidade chinesa girava em torno de seis filhos por mulher. Nos anos 1970, quando foi adotada a política de filho único, ela já caíra para algo como 3. O governo chinês acredita que, com a permissão para mais de um filho por casal, haverá cerca de 23,4 milhões de chineses a mais, e a população ficará entre 1,37 bilhão e 1,43 bilhão até a década de 2030. Mesmo com a nova política, haverá redução populacional.

A queda da fecundidade e o envelhecimento populacional é um fenômeno que afeta todo o planeta. Apenas alguns países da África ainda têm índices superiores a 3 filhos por mulher. Na Europa, o continente mais afetado pelo envelhecimento, ela está em torno de 1,5. No Brasil, abaixo de 1,9 – era de 2,38 no ano 2000. As consequências econômicas disso, fora a queda na atividade econômica, são conhecidas: desequilíbrio no sistema de Previdência (que precisa sustentar mais idosos com menos contribuições dos jovens) e maior custo do sistema de saúde (pressionado também pelo aumento na expectativa de vida).

O mundo passou de uma fase em que a alta natalidade estava associada à pobreza, nos anos 1970, para outra em que a queda na fecundidade está associada ao esgotamento econômico. As várias políticas de controle de natalidade foram tão bem-sucedidas, que até o final deste século é provável que a população terrestre atinja o pico e comece a decrescer.

É natural que qualquer país que se preocupe com o futuro adote políticas para lidar com a questão. O caso chinês chama a atenção porque, em vez de disseminar práticas e técnicas que contribuam indiretamente para reduzir ou ampliar o número de nascimentos segundo a necessidade, a China determina por lei a cada casal quantos filhos deve ter. Trata-se de um intromissão do Estado na vida dos cidadãos em escala inconcebível para quem acredita nas liberdades individuais.

Tem sido comum no Ocidente usar a expressão “direitos reprodutivos” para defender a legalização do aborto até o terceiro trimestre da gravidez. Ela deveria ser usada não para quem quer evitar filhos – mas sobretudo para quer quer tê-los. Direito reprodutivo deve ser o direito de um casal ter quantos filhos quiser, quando quiser – dependendo exclusivamente de seu desejo e condição física e material. A intromissão do governo de qualquer país nessa área é autoritária, inaceitável e só contribui para trazer sofrimento à experiência mais bela e recompensadora da vida.

Fonte: Helio Gurovitz - Foto: Reprodução
Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização