Publicidade 1
Publicidade 1

Publicidade 14

Publicidade 14

Publicidade 15

Publicidade 15

Publicidade 16

Publicidade 16

Publicidade 17

Publicidade 17

Publicidade 18

Publicidade 18

Publicidade 19

Publicidade 19

Publicidade 20

Publicidade 20

Publicidade 21

Publicidade 21

Publicidade 22

Publicidade 22

Publicidade 23

Publicidade 23

Publicidade 24

Publicidade 24

Publicidade 25

Publicidade 25
Home » » ALMT aprova aumento no repasse para a saúde nos municípios

ALMT aprova aumento no repasse para a saúde nos municípios

Presidente da ALMT, Guilherme Maluf, defende aumento do repasse aso municípios



Os deputados estaduais aprovaram nesta quarta-feira (21), em redação final, a mensagem nº 53 de 2015 que aumenta em até 50%, os repasses para a saúde nos municípios. Com isso, foi revogada a Lei nº 9.870, de dezembro de 2012,

O presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Maluf (PSDB), apresentou em março desse ano, projeto com o objetivo de revogar a lei e devolver recursos aos municípios. Em agosto, o Governo do Estado encaminhou mensagem com o a mesma intenção de alterar a legislação. Em função disso, Maluf pediu a retirada do seu projeto e apresentou uma emenda a mensagem, que foi aprovada pelos parlamentares. 

“A atenção básica da saúde poderá agora receber mais recursos e com isso, será possível atuar de forma mais preventiva. Enfatizo a importância desse projeto, que no passado retirou projetos da atenção básica. Também sugiro ao Governo do Estado que parte desses recursos sejam direcionados a políticas públicas voltadas aos agendes de saúde, que são o parachoque das unidades básicas de saúde e poderiam ser estimuladas”, afirmou Maluf.

O presidente da Assembleia Legislativa lembrou que a lei revogada, desde a sua publicação, prejudicou os municípios e agora, os repasses para a saúde ficam a critério do próprio Governo do Estado.

A lei de 2012 instituiu os recursos destinados ao desenvolvimento das ações de saúde – Fonte 134, onde o Estado deveria repassar aos Fundos Municipais de Saúde, o montante anual de até 10% de forma regular e automática.

“A norma não apresentou o efeito desejado em sua proposta, uma vez que limitou estes repasses, o que muitas vezes tem se mostrado insuficiente para atendes às demandas dos municípios, causando assim enormes prejuízos aos Fundos Municipais de Saúde, inviabilizando e engessando sua gestão”, explicou Maluf.

De acordo com Maluf, a revogação da lei vai fazer com que o Governo do Estado tenha maior autonomia na destinação desses recursos, podendo realizar o planejamento dos repasses de acordo com a real necessidade de cada município, podendo, quando for preciso, exceder ao limite.

EMENDAS

Foram três emendas aprovados no projeto, uma de autoria do próprio Maluf e duas do deputado José Domingos Fraga (PSD). A emenda do presidente da Assembleia Legislativa garante que o total dos recursos a serem repassados aos municípios não será inferior a 10% do montante disponível na Fonte 134. 

Na mensagem 53 que resultou no projeto de lei 491 de 2015, o Governo do Estado argumentou que “tais repasses possuem o propósito de financiar as ações e serviços públicos de saúde de atenção primária e de média complexidade nos municípios, conforme critérios de repasses financeiros, de elegibilidade dos municípios e mecanismos de fiscalização, monitoramento e controle da utilização de recursos, regulamentados por portarias específicas da Secretaria Estadual de Saúde em pactuação com a comissão Intergestores Bipartite (CIB)”, diz trecho da mensagem.

O Governo do Estado também justifica que passados mais de dois anos da execução do supracitado diploma normativo, demonstrou-se, na prática, que o modelo normatizado não foi capaz de suprir a contento as demandas dos programas públicos de saúde, impedindo que o gestor implemente um modelo de gestão com mais efetividade prática.

“Assim, o objetivo do presente projeto de lei, ao pretender a revogação da lei, é o de promover a autonomia ao gestor estadual para destinação de recursos, podendo reavaliar a real necessidade dos municípios no desenvolvimento das ações de saúde, a revisão de critérios para o cofinanciamento visando à redução das iniqüidades no Estado e o fortalecimento da descentralização da saúde, por meio da municipalização e regionalização dos serviços e sistemas de saúde”, argumenta o Poder Executivo.

Fonte: KLEVERSON SOUZA - assessoria

Espalhe por ai :
Copyright © Barra News - Todos os direitos reservados
Barra do Bugres - Mato Grosso - Brasil

Qualquer material nao pode ser publicado, transmitido, reescrito ou distribuido sem autorização